Por que eles?

Espera-se que a Gato de Botas se fortaleça e ajude a combater manobras e jeitinhos

Nova fase da Operação Gato de Botas, mais uma vez, levou muita gente à seguinte reflexão: pessoas que, em nada, tinham motivos para estar no foco da ação policial, acabaram presas. Na última quinta-feira (23), dois médicos foram detidos por furto de energia em um condomínio de alto padrão, em Birigui, sendo liberados somente após pagarem fiança de R$ 5 mil. 

Como em outras prisões resultantes dessa operação, pessoas de alto poder aquisitivo estão sendo investigadas por furto de energia elétrica. Desde o seu desencadeamento, em julho, a Gato de Botas tem revelado um esquema criminoso que envolve pecuaristas, empresários influentes e até mesmo oficial de justiça, entre os grandes fraudadores. Enfim, pessoas que não teriam razão em deixar de contribuir para que serviços públicos essenciais funcionassem.

A revolta de parte da população com os “gatos” reside no fato de que muitos cidadãos comuns pagam honestamente suas faturas de energia elétrica e são obrigados e se deparar com falta de iluminação nas vias públicas, problema recorrente em Araçatuba nos últimos tempos, não só em bairros periféricos como em vias de grande fluxo de veículos e pedestres.

Concessionária do serviço de energia elétrica na maior parte do Estado, a CPFL Paulista calcula prejuízo avaliado em R$ 260 mil com fraudes no setor de energia. Pode parecer irrisório para uma empresa que lucrou R$ 879 milhões somente no ano passado, segundo números oficiais. Entretanto, o montante perdido com a ação criminosa é dinheiro que poderia ser investido em melhorias no serviço.

Em relação ao mais novo episódio — no caso, a prisão dos médicos de Birigui — chama atenção o fato de um deles ser diretor de uma OSS (Organização Social de Saúde) que presta serviço para a Prefeitura de Araçatuba e governo do Estado. Ou seja, entidade que recebe milhões de reais do poder público, cujo tipo de contrato tem sido motivo de questionamentos da Promotoria de Justiça. 

O órgão tem se colocado sistematicamente contra a terceirização da saúde. Mais razões para a população questionar sobre o porquê de essas pessoas estarem entre os possíveis praticantes de furtos. Por outro lado, já não é de hoje que vereadores e órgãos fiscalizadores pedem a atenção da administração pública para a observância do histórico de seus contratados. Fica a lição.

Num momento em que a sociedade espera um choque de moralidade, especialmente por causa de tantos casos de corrupção vistos diuturnamente, espera-se que a Gato de Botas se fortaleça e ajude a combater manobras e jeitinhos que prejudicam a população. 

LINK CURTO: http://folha.fr/1.375732

Curta nossa fanpage e receba notícias pelo Facebook