Suspeito (de listras) acompanhou os trabalhos próximo de uma viatura, ao lado do advogado e investigador

Polícia reconstitui homicídio em Birigui; suspeito não participa

Rapaz negou, mais uma vez, que tenha matado

A Polícia Civil de Birigui realizou, na manhã de quarta-feira (10), a reconstituição da morte do jovem Adilson Benedicto da Silva, de 22 anos. Ele foi assassinado com cinco tiros e encontrado por populares em uma rua da Vila Germano, na madrugada de 20 de novembro do ano passado.

O suspeito de ter matado a vítima está preso, foi até o local, mas não participou dos trabalhos. Ele estava acompanhado do advogado e nega o crime. Uma jovem, que seria namorada do suspeito e que também teria participado do crime, está foragida.

A reconstituição foi comandada pelo delegado do 2º Distrito Policial, Eduardo Lima de Paula. Ele interpretou Silva, enquanto um investigador fez o suspeito e uma estagiária da unidade, a mulher.

Mesmo não atuando, o suspeito acompanhou os trabalhos próximo de uma viatura ao lado do advogado e de outro investigador. Assim que a reconstituição foi concluída, ele foi levado ao 2º DP, onde prestou um novo depoimento e negou, mais uma vez, que tenha matado Silva.

No entanto, o delegado explicou que há indícios de que o jovem tenha cometido o crime. "No dia, ele disse que trabalhava como entregador de lanches e, durante nossas investigações, funcionários do estabelecimento disseram que, por um período naquela noite, ele se ausentou e depois retornou, dizendo que havia acabado o combustível da moto", disse.

COINCIDÊNCIA
Eduardo de Paula comentou que o período em que ele não apareceu na lanchonete coincide com o do crime. "Câmeras de segurança de uma empresa mostram imagens de um entregador de moto passando pelo local do crime por volta das 23h30. Quinze minutos depois, um carro passa pela rua, onde o corpo foi encontrado e no início da madrugada a Polícia Militar chega ao local", ressaltou.

Além disso, a mulher que está foragida, mantinha relacionamento amoroso com o suspeito e estaria junto a vítima na hora do crime. "Em pesquisa nas páginas deles nas redes sociais foram encontradas várias fotos dos dois juntos (suspeitos) e ao ser questionado, ele disse que a mulher havia postado as imagens", observou o delegado.

CRIME
Testemunhas passaram pelo local, por volta da 1h30, quando viram Silva caído e com diversos ferimentos pelo corpo provocado por tiros. Elas foram até a sede da Polícia Militar, que seguiu até o local. O Resgate do Corpo de Bombeiros levou Silva ao pronto-socorro, mas ele não resistiu.

Na unidade, os PMs foram informados que três disparos acertaram a cabeça, um o quadril e o outro, uma das mãos. Uma motocicleta Yamaha, que seria da vítima, foi encontrada dentro de uma construção com o farol ligado. Havia manchas de sangue pelo local.

MOTIVAÇÃO
O suspeito foi preso temporariamente uma semana depois do crime, quando investigadores foram até a casa dele com mandados de busca e de prisão. Para a polícia, o homicídio foi uma vingança tardia. Anos atrás, o suspeito foi vítima de tentativa de homicídio - dois homens em uma motocicleta atiraram contra ele.

Ao ser detido, o suspeito disse à polícia que a vítima era quem conduzia a moto na tentativa de homicídio que sofreu. "A pessoa que teria atirado nele já morreu", frisou Eduardo de Paula. 

Além da reconstituição, o delegado aguarda o resultado dos laudos periciais e do IML (Instituto Médico Legal) para dar sequência aos trabalhos. "Vamos pedir a prisão preventiva dele e da mulher, mesmo ela estando foragida e dentro de algumas semanas concluiremos o inquérito para enviá-lo a Justiça", finalizou.

LINK CURTO: http://folha.fr/1.383600

Curta nossa fanpage e receba notícias pelo Facebook