Aderiram agentes que atuam na penitenciária de Andradina (foto), Lavínia e na unidade de Valparaíso

Paralisação de agentes também prejudica penitenciárias da região

Pelo menos cinco das dez unidades prisionais da região foram atingidas pela greve dos agentes penitenciários do Estado de São Paulo. A paralisação, iniciada na última segunda-feira (10), reivindica reajuste de 20,64%, referente à inflação do período de 2007 a 2012 e mais 5% de aumento real no salário.

Aderiram agentes que atuam na penitenciária de Andradina, nas três de Lavínia e também na unidade de Valparaíso. Todas pertencem à regional de Andradina do Sindasp (Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado de São Paulo). A diretora regional da entidade, Regina Célia dos Santos, afirmou que houve 90% de adesão na área de atuação, que vai de Tupi Paulista, onde a greve atinge as penitenciárias masculina e feminina, até Valparaíso.

Na terça-feira (11), os agentes que atuam no CDP (Centro de Detenção Provisória) e na penitenciária de Riolândia também aderiram. A regional do Sindasp de São José do Rio Preto informou que os agentes da Penitenciária Compacta de Avanhandava estavam aguardando a realização de uma assembleia ontem para decidir ser também iriam aderir à greve. Segundo o sindicato, na região de Rio Preto todas as penitenciárias participam.