Cristiane Barbosa França e o filho Otávio (foto) sofreram bullying e decidiram ajudar outras pessoas em um livro

Mulher com deficiência física escreve livro sobre superação de discriminação

A autora compartilha experiências próprias e do filho que também sofreu bullying

“Minha mãe me mostrou desde cedo que nada na vida seria fácil e eu tinha duas escolhas: reclamar ou realizar. Acho que você já imaginou qual decidi.” Foram com essas palavras que a dona de casa Cristiane Barbosa França, 43 anos, de Penápolis, resumiu todas as dificuldades que sofreu quando foi vítima de bullying (agressões físicas e morais constantes e intencionais) na infância por ter deficiência física, no livro que escreveu. Agora, busca parceiros e patrocinadores para a publicação.

Intitulado “Escolhi vencer”, ela dividiu sua experiência e conta como que, junto com o filho Otávio França da Silva, 12, que também sofreu bullying na escola, deram a volta por cima. A ideia em fazer a autobiografia surgiu em dezembro de 2016, após ela e o filho derem uma palestra em um colégio particular da cidade sobre o tema.

“O diretor da unidade me sugeriu em escrever o livro. Na verdade, o material já estava pronto e era só passar para o papel”, disse. Ela acrescentou que, a partir daí, começou o trabalho de apuração. “Conversei com familiares, amigos e pessoas que, ao longo dos anos, me ajudaram, e percebi o quanto elas fazem parte da minha vida”, destacou.

Com a ajuda da professora de língua portuguesa Anna Cláudia dos Santos Veronese, Cristiane deu início à escrita. “O objetivo principal é ajudar as mães que possuem filhos com paralisia. Tem uma frase que diz que o ‘amor supera tudo’. Minha mãe teve esse sentimento e não me abandonou no momento que mais precisei”, ressaltou.

ORÇAMENTO
Cristiane explicou que, orçamento para publicação da obra feito em outubro do ano passado em uma editora de Birigui avaliou que eram necessários R$ 3 mil para a confecção de 500 unidades, com o valor para a venda de R$ 15. Para isso, ela conta com a ajuda do jornalista e assessor da Câmara de Penápolis, Ricardo Alves. 
“Eu não escrevi o livro para que tenham pena de mim, e sim para mostrar que a vida pode mudar e para melhor. Basta a gente fazer a diferença que as coisas, com certeza, vão melhorar”, concluiu. Quem quiser colaborar, pode entrar em contato pelo telefone (18) 98129-3312.

Leia esta notícia na íntegra em nossa edição digital para assinantes
LINK CURTO: http://folha.fr/1.385119

Curta nossa fanpage e receba notícias pelo Facebook