Copos e garrafa de bebida na avenida Dib Jorge após festas no local com participação de crianças e adolescentes

Justiça proíbe realização de carnaval com funk e baile em Penápolis

Eventos em avenida incomodam a população

A Justiça de Penápolis proibiu a realização do "Carnafunk" e "Baile da 018", cujo início seria nesta sexta-feira (9) e nos dias 13, 23 e 24. Na decisão, o juiz Luciano Brunetto Beltran determinou o auxílio da polícia e que a Prefeitura promova todas as providências necessárias para impedir os eventos, sob pena de multa de R$ 300 mil por festa realizada. O juiz ainda intimou que os organizadores e colaboradores impeçam os eventos, sob pena de multa de R$ 10 mil por festa. 

A determinação segue pedido feito pelo Ministério Público. No documento, os promotores Fernando César Burghetti e Lysaneas Santos Maciel informam que a programação das festas se iniciaria após as 22h no trecho da avenida Dib Jorge, entre as ruas Moacir Amorim da Silva e Andrelino Vaz de Arruda, no Distrito Industrial. 

Apesar de no local haver indústrias, a situação tem incomodado empresários e motoristas que usam a via. "As festas vêm causando incômodos de toda a população, dentre eles a poluição sonora, o uso indiscriminado de drogas de todos os tipos, tendo a participação de crianças e adolescentes", destacam os promotores. 

REUNIÕES
Em 29 de janeiro e na última segunda-feira (5), o MP participou de reuniões com todos os segmentos da sociedade e autoridades, visando buscar ideias para resolver os problemas ocorridos com os bailes a céu aberto e via pública, bem como se estava sendo realizado algum tipo de fiscalização pelas autoridades envolvidas. 

"Os organizadores não compareceram ao encontro, numa nítida demonstração de que não estão preocupados em regular os eventos dentro da legalidade que se espera de uma sociedade organizada", frisaram Burghetti e Maciel. Durante o encontro, representantes da Prefeitura informaram que os eventos não ocorriam no local, entretanto, durante apuração, o MP descobriu que houve a "escolha da rainha", sendo eleita uma menina menor de idade.

"Há notícias do Conselho Tutelar e do Conselho de Segurança de Penápolis de que menores frequentam o baile, ingerindo bebidas e drogas. Além disso, uma criança de 9 anos foi encontrada no baile desacompanhada dos responsáveis. O local não apresenta as mínimas condições de segurança para a realização dos eventos, onde comparecem inúmeras pessoas", consta no documento assinado pelos promotores.

O MP relatou ainda que os organizadores não comunicaram a realização do evento às autoridades locais, além de não terem a documentação necessária para aprovação da festa, como os laudos de vistoria para capacitação e limite do número de pessoas, do Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária e Prefeitura.

SEM RESPOSTA
A reportagem não conseguiu contato com os organizadores do "Carnafunk" e "Baile da 018" para comentarem a decisão. A Folha questionou a Prefeitura se havia sido notificada da decisão, quais medidas serão tomadas e se realiza a fiscalização aos fins de semana, quando acontecem os bailes, mas não obteve respostas.

LINK CURTO: http://folha.fr/1.388556

Curta nossa fanpage e receba notícias pelo Facebook