Retomada da moagem no setor sucroalcooleiro proporcionou melhor resultado

Indústria abre 1,3 mil vagas de trabalho em março na região

Números representam acréscimo de 2,52% em empregos

A retomada da moagem ajudou indústria da região de Araçatuba a ter o melhor índice na geração de empregos nos últimos dois anos. Em março, fábricas e usinas dos 34 municípios da diretoria regional do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) abriram 1,3 mil postos de trabalho, o que representa um acréscimo de 2,52% no estoque de empregos.

O setor secundário da região não apresentava variação mensal positiva nesse patamar desde janeiro de 2015. Na época, a diretoria regional teve uma alta de 2,61% no número de empregos fabris ante dezembro. Os dados são da pesquisa “Nível de Emprego Industrial”, divulgada ontem pelo Ciesp e pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). 

O terceiro mês de 2017 foi ainda o março em que a indústria da região teve os melhores resultados nos últimos três anos. Em 2016, foram criados cerca de 600 postos de trabalho industriais no período e, em 2015, aproximadamente 150 empregos do setor foram eliminados. A indústria regional já chegou a criar quatro mil postos de trabalho em março de 2010. 

CANA
Os setores que mais colaboraram com contratações para o resultado de março de 2017 foram a produção de coque, petróleo e biocombustíveis (aumento de 10,34%) e produtos alimentícios (4,7%), nos quais estão inseridos a agroindústria canavieira pela fabricação de etanol e açúcar. 

Parte das usinas sucroalcooleira da região retomaram as operações em março e outra quantidade em abril, o que reflete na criação de vagas formais nos dois meses, conforme o presidente do Sindalco (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas, Farmacêuticas e da Fabricação de Álcool, Etanol, Bioetanol e Biocombustível de Araçatuba e Região), José Roberto da Cunha. 

Tradicionalmente, as unidades produtivas do segmento encerram a moagem da cana-de-açúcar em novembro e retomam entre o final do primeiro trimestre e começo de segundo para acompanhar o início de safra. O ciclo 2017/2018 teve início oficial em 1º de abril. Conforme Cunha, apesar de a sazonalidade do setor ter favorecido as admissões em março, o ritmo de contratações das usinas da região se iguala ao do ano passado. 

A expectativa nacional é de estabilidade no volume de cana esmagada. Estimativa da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), divulgada ontem, é de que a produção nesta temporada seja 1,5% menor do que a anterior. Na safra 2016/2017, encerrada no final de abril, foram processadas 657,18 milhões de toneladas de cana. A previsão é de que o ciclo atual totalize 647,63 milhões de toneladas. 

ATIVIDADES
Outras atividades que tiveram alta no estoque de empregos em março foram a produção de celulose, papel e produtos de papel (2,83%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (1,83%), e artefatos de couro, calçados e artigos para viagem (1,03%). Na outra extremidade, o mercado de trabalho da confecção de artigos de vestuário e acessórios encolheu 14,63%. 

Com as estatísticas, a diretoria regional teve o quarto melhor desempenho entre 36 regiões do estado, atrás apenas de Piracicaba (que avançou 3,13%, impulsionada pela produção de alimentos e máquinas), Jaú (que teve ampliação de 2,98%, puxa pelos setores alimentício e calçadista) e Limeira (que apresentou o incremento de 2,56%, influenciada pelo segmento de biocombustíveis). 


No Estado, 9,5 mil postos criados no mesmo mês

Em âmbito estadual, a indústria gerou 9,5 mil postos de trabalho, o que representa alta de 0,45% ante fevereiro. O Depecon (Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp e do Ciesp) destaca que o desempenho positivo foi observado após um mês de quedas. O resultado paulista também foi estimulado pelo setor sucroalcooleiro. Em março de 2016, o estoque de empregos industriais havia encolhido 0,15%. Cerca de 3,5 mil vagas foram fechadas no período. 

Os indicadores apontam estabilidade no emprego industrial, diz o gerente do departamento de pesquisas, Guilherme Moreira. “O resultado positivo de março mais que compensou a queda verificada em fevereiro. Essas oscilações são normais e mostram que o emprego tende a se estabilizar.” 

A indústria paulista acumula 13,5 mil vagas no primeiro trimestre. No mesmo período do ano passado, o setor teve perda de 31 mil postos. Se a indústria sucroalcooleira teve influência positiva no desempenho estadual, os setores de produtos diversos e de impressão e reprodução de gravações foram os que mais demitiram, com quedas respectivas de 1,82% e 0,98%.