Santo Neto relata que, somente no ano passado, foi transferido de cargo 12 vezes

Ex-secretário diz sofrer perseguição em Birigui e pede indenização de quase R$ 60 mil

Escriturário, começou a trabalhar para o município em 1990

O ex-secretário interino de Finanças, o servidor municipal biriguiense José Antero dos Santos Neto, ingressou com uma ação na Justiça pedindo para que a Prefeitura pague indenização por danos morais no valor de R$ 57.240, quantia que corresponde atualmente a 60 salários mínimos, por suposta perseguição política da atual administração do prefeito Cristiano Salmeirão (PTB). 

Santos Neto, que é escriturário e começou a trabalhar para o município em 1990, sendo nomeado secretário interino pelo ex-prefeito Pedro Bernabé (PSDB), relata no processo que, somente no ano passado, foi transferido de cargo 12 vezes. Ele acredita que essas alterações de seus locais de trabalho tenham acontecido por ele não se alinhar ideologicamente com o atual governo. 

Em janeiro do ano passado, Santos Neto foi exonerado do cargo de diretor de Contabilidade, sendo que a primeira transferência foi para a Secretaria da Saúde. A última delas, ocorrida em novembro do ano passado, conforme a ação, colocou o escriturário para trabalhar no Cartório Eleitoral. 

De acordo com a defesa do servidor, feita por advogada do Sisep (Sindicato dos Funcionários e Servidores Públicos de Birigui e Brejo Alegre), as constantes mudanças de local de trabalho estão causando transtornos em sua vida pessoal, social e humilhação perante seus colegas de trabalho. Ele diz na ação que não sabe o que motivou a ira da atual administração municipal. 

A exoneração dele em cargo de confiança por motivo de contenção de despesa também não se justificaria. Sua comissão em janeiro de 2017 era de R$ 1.267,07, que com o aumento chegaria a R$ 1.330,30. Porém, após a exoneração de Santos Neto, as atividades dele foram divididas entre três funcionários, sendo que o funcionário que ficou responsável pelo trabalho do escriturário ganhou um adicional de 30%, assim como vários outros servidores. 

'GELADEIRA'
Para a defesa do escriturário, as transferências têm características de perseguição política, já que nenhum de seus superiores apresentaram justificativa plausível, preferindo a “desculpa” de necessidade de serviço ou um pedido do próprio juiz eleitoral. 

Conforme o processo, essa justificativa é geralmente utilizada quando se quer colocar determinado servidor na “geladeira” ou mesmo em situações humilhantes. 
Além do pagamento de indenização, Santos Neto quer, por meio de liminar (decisão provisória), a anulação de suas transferências e determinar que a Prefeitura o coloque nas funções que ele exercia como escriturário na administração municipal. 

NÃO COMENTOU
A Prefeitura de Birigui informou, por meio de nota, que ainda não foi notificada da ação, por isso, achava melhor não comentar, por ora, o caso.

LINK CURTO: http://folha.fr/1.386869

Curta nossa fanpage e receba notícias pelo Facebook