Castilho: “Muita gente gostaria de dizer o que escrevi aí”

‘Doente’, diz ex-prefeito sobre Célio de Oliveira

Para Ricardo Castilho tucano é 'narcisista'

Em um dos trechos mais polêmicos do livro “Como fazer política sem se corromper”, o ex-prefeito de Penápolis Ricardo Castilho (PV) chama o atual gestor, Célio de Oliveira (PSDB), de “narcisista”. Questionado por qual motivo usou essa expressão para se referir ao tucano, Castilho disse que o chefe do Executivo, de quem já foi vice, afirmou que a Prefeitura era ele, como Luís 14, rei da França, o fez ao dizer que era o Estado. “É um doente”, assinalou Castilho. 
 
Um dos motivos do rompimento, contado na obra, foi a falta de apoio de Célio para eleger um vereador do PV, seu partido, para presidente da Câmara. Segundo Castilho, o tucano convenceu três dos quatro parlamentares de que ele queria eleger para o cargo seu filho, Ricardinho. O ex-prefeito disse que isso não era verdade, pois não queria que seu filho deixasse de advogar por causa da função, assim como ele era impedido. 
 
Após ser vereador, presidente do Legislativo, prefeito, vice-prefeito e deputado estadual, Castilho resolveu colocar suas memórias no papel para completar o ciclo confucionista: plante uma árvore, tenha um filho e escreva um livro. Além disso, ele afirmou que queria mostrar a história política de Penápolis, que, em sua opinião, até o momento não havia sido bem contada. 
 
Confira trechos da entrevista que ele concedeu à Folha da Região: 
 
Nesta autobiografia, o senhor fala que Célio de Oliveira é narcisista. Por quê?
Ele é narcisista. Doente. Aliás, no debate da Folha da Região, eu cheguei a dizer que ele lembrava o Luís 14, rei da França, que disse que o Estado era ele. O Célio disse que a Prefeitura era ele. Chegou a dizer para um companheiro nosso, que participou da campanha de 2012, que ganhou as eleições, tinha a chave da Prefeitura e a caneta na mão e não precisava de ninguém. Quem é este cara? É normal?

Curta nossa fanpage e receba notícias pelo Facebook