Eder Pires de Camargo estuda alternativas para ensinar física por meios táteis

Cego, professor de física recorre ao tato em aulas na Unesp

Eder Pires de Camargo começou a perder a visão aos 9 anos de idade por causa de uma doença na retina. Aos 40 anos, consegue enxergar apenas vultos. A deficiência visual não foi um impedimento para ele se formar na faculdade de Física, fazer mestrado, doutorado e pós-doutorado e publicar três livros sobre o ensino de física para alunos com deficiência visual.

Camargo é professor na Unesp (Universidade Estadual Paulista) de Ilha Solteira, na região de Araçatuba, e autor do livro "Saberes docentes para a inclusão do aluno com deficiência visual em aulas de Física", publicado este ano, no qual demonstra que muitos conceitos da disciplina independem da visão e podem ser compartilhados entre cegos e videntes.