Carlos e Michele foram à Justiça após não conseguirem ambulância para levar criança a hospital

Casal busca ajuda para tratamento de filho de 1 ano

Conseguir, na Justiça, o direito de ter bancado pela Prefeitura o tratamento de seu filho, Juan Pablo da Silva, de 1 ano e 7 meses, não foi suficiente para o casal Carlos Alberto da Silva, de 30 anos, e Michele Aparecida dos Santos, 25, de Birigui.

Moradores do bairro Cidade Jardim, os pais da criança alegam que o município não está cumprindo todas as obrigações determinadas pelo Judiciário e precisam de ajuda para a totalidade das despesas médicas. O menino foi diagnosticado com paralisia cerebral quadriplégica, consistente na perda da mobilidade nos membros superiores e inferiores, além do controle da musculatura do tronco.

O pai, que trabalha como entregador de uma lanchonete durante a noite, conta que, em 6 de agosto do ano passado, aos 4 meses, Juan estava na casa da babá, quando, acidentalmente, sofreu uma queda. “Eu e minha esposa estávamos almoçando, quando uma moça nos chamou no portão, falando que o bebê havia se engasgado enquanto era tomava leite pela mamadeira. Levamos ao pronto-socorro, onde foi diagnosticado deslocamento da retina e traumatismo sublateral frontal, sendo encaminhado à UTI (Unidade de Terapia Intensiva) da Santa Casa de Araçatuba, onde permaneceu internado por dois meses”, diz. “Ficamos sem chão quando recebemos a notícia”, completa Michele, que trabalha em fábrica de calçados.

Em 6 de outubro, Juan recebeu alta médica e, junto, o casal acompanhou laudo feito pelos especialistas sobre os tratamentos que o bebê precisaria. Um mês depois, o garoto teve insuficiência respiratória e precisou ser novamente internado em Araçatuba. “Dessa vez, tivemos que pagar R$ 1,2 mil a uma ambulância para levá-lo ao hospital, já que a Prefeitura não cedeu o veículo, o que me deixou revoltado, fazendo com que eu entrasse na Justiça para que meu filho recebesse tratamento digno e adequado.”

OPÇÕES
O casal busca, agora, alternativas para angariar recursos. No próximo dia 12, será realizada uma feijoada beneficente no salão da Igreja Santa Rita de Cássia — rua Florindo Lot, 413, no bairro Cohab 3.

O convite individual custa R$ 20 e pode ser adquirido pelos telefones (18) 99769-8721, 99157-9853 ou 99649-2376. Crianças de até 8 anos não pagam e de 9 a 12 anos pagam R$ 10. Toda a renda será revertida para o tratamento do garoto.

OUTRO LADO
Em nota, a Prefeitura diz que oferece total apoio a Juan. Segundo o município, ao todo, o valor do atendimento dado ao paciente chega a aproximadamente R$ 30 mil mensais. A Secretaria de Saúde informou que é responsável pela internação domiciliar do garoto, além do fornecimento de materiais, sendo a lista composta por mais de 15 itens, e por fornecer medicamentos e profissionais do setor, dentre os quais neuropediatra, fisioterapeuta e fonoaudióloga.

“A família recebe, periodicamente, equipe do programa ESF (Estratégia Saúde da Família), composta por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e agentes comunitários de saúde, além de uma nutricionista que também integra a equipe e visita a residência do bebê.”

Curta nossa fanpage e receba notícias pelo Facebook