Carpinteiro é preso na região e confessa homicídio em MS

Acusado matou homem por causa de pedaços de arame

Um carpinteiro de 58 anos foi preso, na madrugada desta quarta-feira (17), na rodovia Marechal Rondon (SP-300), em Penápolis, após confessar à polícia que participou em um homicídio em Cassilândia (MS). O crime ocorreu no domingo (14). O acusado estava em um táxi e iria até Marília (a 161 km de Araçatuba).

De acordo com o boletim de ocorrência, a Polícia Militar Rodoviária fazia fiscalização em frente à base, quando abordou um Fiat Uno, com placas de Chapada do Sul (MS), tendo o carpinteiro como passageiro. O condutor, que não teve a idade divulgada, disse que receberia R$ 1,2 mil pelo serviço.

NERVOSISMO
Durante a abordagem, o acusado demonstrou nervosismo, levantando suspeita. Os policiais fizeram buscas no automóvel e encontraram R$ 18,3 mil. O carpinteiro não disse a origem da quantia, mas confessou o homicídio, que ocorreu em uma fazenda de Cassilândia, onde ele e o filho – que foi preso – mataram um homem de 67 anos após uma briga por causa de pedaços de arame.

Ele foi levado ao plantão policial para prestar esclarecimentos. Após ser ouvido, foi encaminhado para a cadeia e deve ser transferido nos próximos dias para a cidade sul-mato-grossense. O motorista do táxi foi ouvido e liberado. 

CRIME
Testemunhas contaram à polícia de Cassilândia que o carpinteiro e o filho discutiram com a vítima por causa de pedaços de arames que foram jogados em um corredor da propriedade rural. O homem foi até a casa dos acusados questionar o motivo de eles terem reclamado dos objetos deixados.

Uma discussão foi iniciada, quando o filho do carpinteiro pegou uma espingarda e atirou em direção ao idoso, mas não acertou. A vítima correu para uma caminhonete, porém não conseguiu ligar o veículo. Com isso, o carpinteiro foi a outra casa e voltou com uma espingarda.

O idoso tentou sair do veículo pela porta do passageiro e foi atingido por dois tiros nas costas. O acusado ainda correu, encostou a arma na cabeça da vítima e deu outro disparo. O filho do carpinteiro ligou para a polícia e disse que o pai havia atirado em legítima defesa. Entretanto, ele ficou nervoso e entrou em contradição.

Testemunhas disseram que ele havia participado do crime e, diante disso, acabou confessando o homicídio, sendo preso em flagrante e levado a delegacia de Polícia Civil. Ele responderá por homicídio qualificado por motivo fútil e porte ilegal de arma de fogo.