Wilson Marini é editor-executivo da APJ (Associação Paulista de Jornais)

Marini: Parque automotivo se agiganta em SP

Mais de 40% das fábricas do complexo automotivo do Brasil encontram-se no Estado de São Paulo, que consolida um robusto parque de fabricação e montagem de veículos de todos os tipos, reboques e carrocerias. Além disso, a participação da indústria paulista de autopeças vem aumentando em relação ao total do País, a cada ano, abrigando atualmente quase 2 mil fábricas no Estado. 

Na semana passada, esse enorme parque industrial ganhou um importante reforço. A fabricante japonesa Koito, de lanternas e faróis para automóveis, anunciou a sua entrada na América Latina, via Sorocaba. As obras de sua primeira planta no continente vão de vento em popa graças à fábrica da North American Lighting (N.A.L.), subsidiária nacional criada pela marca, que receberá investimentos de R$ 280 milhões e deverá empregar cerca de 300 pessoas quando operar em plena capacidade, a partir de fevereiro de 2018. A empresa fornecerá componentes para as montadoras Toyota e Honda, principalmente. 

Números
Com 20 mil metros quadrados de área construída em um terreno de 200 mil metros quadrados, a expectativa é que a nova fábrica, com capacidade para produzir 250 mil peças por mês. Fundado em 1915, o grupo Koito é um fornecedor internacional de equipamentos de iluminação automotiva e elétrico, partes aeronáuticas e outros produtos relacionados. A empresa tem ações comercializadas na bolsa de Tóquio e sede na capital japonesa, onde possui quatro unidades produtivas. 

Expansão
São Paulo é considerado berço da indústria automobilística nacional. Ford, General Motors, Honda, Mercedes-Benz, Scania, Toyota e Volkswagen estão entre as principais empresas aqui instaladas. Com mais de 3,4 milhões de unidades produzidas anualmente, o Brasil é o sétimo maior produtor mundial de veículos. Desse total, 1,4 milhão (41,5%) é produzido em São Paulo. São Paulo é o 15º maior produtor de veículos do mundo e é maior estado consumidor do país, com 34,6% da frota nacional.

Conhecimento
Segundo a Investe SP, agência de promoção de investimentos e exportações ligada ao governo estadual, São Paulo concentra cada vez mais atividades tecnológicas e de engenharia no segmento automotivo devido à qualidade e a disponibilidade de sua mão de obra, aos seus centros de pesquisas e laboratórios, além de centros de desenvolvimento dos principais fabricantes de autopeças. Segundo a agência, o mercado nacional apresenta elevado potencial de crescimento.

Ambiente ideal
Parques tecnológicos do Interior Paulista exercem papel importante na atração e suporte às novas unidades do setor automobilístico de São Paulo. Sorocaba oferece local para atrair e acomodar empresas intensivas em tecnologia, instituições de ensino e pesquisa, e empresas de consultoria e organizações que possam oferecer serviços de apoio técnico e de mercado com foco em produção automotiva, metalmecânica, eletroeletrônica, energias alternativas e tecnologia da informação e comunicação. Em Piracicaba, o parque conta com programas de inovação associados a empreendimentos para a conversão de fontes de biomassa em combustíveis renováveis, e dispõe de uma incubadora para abrigar empresas industriais ou de serviços em sua fase nascente.  

Em Jundiaí
Com 650 empregos diretos, o grupo Pochet inaugurou sua fábrica em Jundiaí. O diretor-geral da empresa, Gustavo Libânio, disse que a cidade foi escolhida por apresentar boas condições para a instalação da fábrica. “Aqui há esgoto tratado, excelente infraestrutura urbana e acesso rápido às principais rodovias. Além disso, recebemos todo o suporte necessário da prefeitura para viabilizar o projeto”, disse.

Hospital chinês
Uma comitiva de autoridades da área médica do governo da China foi recebida no último dia 30 pelo governador Geraldo Alckmin, no Palácio dos Bandeirantes, para abordar o projeto de construção de um hospital chinês em São Paulo, o primeiro com esse perfil. Segundo a Câmara de Comércio de Desenvolvimento Internacional Brasil-China, o estabelecimento teria atendimento em português e mandarim. A proposta é unir a medicina tradicional chinesa com técnicas ocidentais, tanto na área de prevenção quanto de cura, com 250 leitos, 50 dos quais de UTI, além de shopping e área cultural com parque.

Tendência natural
“Com abundantes fontes de material de ervas terapêuticas chinesas e mais de 100 mil fórmulas patenteadas, há grande espaço para o desenvolvimento de novos produtos de cuidado com a saúde, com potencial aumento de mercado”, diz documento da Câmara Brasil-China. “É também uma nova tendência a substituir as drogas químicas pelas naturais”, ressalta. 

De olho no Vale
No primeiro bimestre deste ano, empresas da China importaram das indústrias da região do Vale do Paraíba quase R$ 1 bilhão a mais do que os norte-americanos. Trata-se do maior aumento de uma única nação compradora na balança comercial da região metropolitana do Vale do Paraíba. A China já é o principal comprador dos produtos feitos em Jacareí e o segundo maior em São José dos Campos.

ACESSE AQUI A COLUNA
'CONTEXTO PAULISTA'

LINK CURTO: http://folha.fr/1.371728

Curta nossa fanpage e receba notícias pelo Facebook