Renatinho aprova reunião com presidente do Botafogo, mas lamenta violência

Na véspera do duelo com o Flamengo pelas semifinais da Taça Guanabara, o clima é de pressão no Botafogo. Após ser alvo de protestos da torcida após a derrota para a Aparecidense pela Copa do Brasil, o elenco se reuniu nesta sexta-feira com o presidente Nelson Mufarrej, o vice-presidente de futebol Gustavo Noronha e o vice-presidente executivo Luis Fernando Santos. Em entrevista coletiva, o meia Renatinho garantiu que a conversa foi positiva e assegurou encarar as cobranças com naturalidade.

"Tivemos mesmo essa conversa com o presidente e ele nos apoiou, nos deu confiança para esse jogo importante que teremos. Falou sobre essa fatalidade que foi a eliminação na Copa do Brasil e sabemos da responsabilidade que temos. Foi difícil dormir, mas passou, não podemos mudar isso, só que uma vitória contra o Flamengo pode melhorar um pouco essa situação", disse.

No retorno ao Rio após a derrota para a Aparecidense, o grupo do Botafogo foi recebido com protesto da torcida, que chegou a jogar pedras no ônibus que transportava a delegação. Renatinho revelou que quase foi atingido por uma delas.

"Particularmente fiquei assustado com a situação. Uma das janelas que eu estava foi atingida e só não pegou em mim por parar na cortina. Todos que sentarem aqui irão falar que pregamos a paz e sabemos que o torcedor tem que cobrar sim, mas sem violência. Essa é a minha opinião", afirmou.

O técnico Felipe Conceição não confirmou qual vai ser a escalação do Botafogo para o duelo com o Flamengo, mas a tendência é que Renatinho atue como titular. E o meia sabe que uma vitória será fundamental para mudar o cenário e o clima no time.

"Contra o Flamengo qualquer jogo vale muito. Sei da responsabilidade. Nunca participei, mas sei da dimensão para a torcida. Estou me preparando para desempenhar um bom futebol", comentou o meia, motivado para o duelo em Volta Redonda.
LINK CURTO: http://folha.fr/1.388554

Curta nossa fanpage e receba notícias pelo Facebook