Spike Lee e Dilma em encontro no Palácio do Planalto: filme não pretende ser de esquerda ou de direita

Spike Lee se diz 'muito impressionado' com Dilma

O cineasta norte-americano Spike Lee, 55 anos, afirmou ter ficado "muito impressionado" com a presidente Dilma Rousseff e ter conversado com ela, no Palácio do Planalto, sobre os obstáculos e objetivos do Brasil, uma "nova superpotência". Ele chegou na terça-feira (24) a São Paulo e deve fazer entrevistas no País para o documentário que está realizando, "Go Brazil Go!". "É sobre o novo Brasil, sobre como o Brasil emergiu como uma nova superpotência", explicou após encontro com Dilma no Palácio do Planalto, nesta quarta (25).

Brasileiros como Neymar, Chico Buarque, Lula e Miton Nascimento estão entre as personalidades cotadas para aparecer no filme. "Esperamos ter uma entrevista [para o documentário] com a presidente", acrescentou. O encontro com Dilma durou cerca de 30 minutos - o escritor Fernando Morais, consultor do filme, também participou da agenda.

'ESPECTRO'
Spike Lee afirmou que o filme não pretende ser de esquerda ou de direita, mas sim refletir um "espectro geral" da sociedade brasileira. A última visita do cineasta ao Brasil se deu na década de 1990, quando veio dirigir o clipe de Michael Jackson na favela Dona Marta, no Rio, e no Pelourinho, em 1996.

Questionado sobre o que mudou desde então, ele citou como exemplo a formação da nova classe média. "Eu comecei o projeto com uma mente aberta, coração, olhos e ouvidos. (...) Vai ser um processo de aprendizagem e isso levará tempo." Ele pretende fazer cerca de sete viagens ao Brasil até o próximo ano, para fazer entrevistas e colher histórias. A intenção é que o filme seja lançado antes da Copa de 2014.