Rafael Lopes ja viajou para Brasília e São Paulo esse ano

Viajar sozinho traz novas amizades e conhecimento

É imprescindível ter o cuidado de se informar, antes, sobre os locais a serem visitados para não transformar a viagem em um grande pesadelo

Viajar, na maioria das vezes, é uma ótima opção. Exceto quando se entra em algumas “frias”. Além de ser prazeroso conhecer novos lugares, se desligar da rotina do dia a dia faz bem, mas nem sempre é possível conciliar a viagem com as férias da família, ou com a de um amigo ou até mesmo com a do namorado(a). Cada vez mais, as pessoas estão “mochilando”, viajando sozinhas, seja por uma escolha pessoal ou por não conseguir uma companhia.

Fazer esse tipo de programa não é uma má ideia, mas é preciso estar atento e pesquisar sobre o destino antes de embarcar em uma aventura.

O jornalista Rafael Lopes, 33 anos, que este ano já foi para Brasília e São Paul, sozinho, explica que não há um motivo especial para que faça viagens desacompanhado. "Gosto de viajar e conhecer novos lugares, novas pessoas, novas histórias, novas culturas e costumes, independentemente de ir sozinho ou acompanhado", contou. Ele acrescenta que quando não há ninguém da família ou outra pessoa disponível no momento da viagem, ele acaba optando em seguir sozinho para sair da rotina do trabalho e atingir seus objetivos.

"Sempre prezo por conhecer cidades onde posso ter contato com a natureza ou que tenham pontos turísticos que remeta à história do nosso país, como a viagem que fiz recentemente a Brasília, no Distrito Federal, onde pude conhecer de perto a história da construção da capital do nosso país, no governo do ex-presidente Juscelino Kubitschek, e obras arquitetônicas famosas do arquiteto Oscar Niemeyer, como o Palácio do Planalto e a Catedral de Brasília", relatou Rafael sobre sua recente experiência, que para ele é uma aventura do início ao fim.

Leia esta notícia na íntegra em nossa edição digital para assinantes
LINK CURTO: http://folha.fr/1.404339