Um toque humano na educação

Fateb passará a oferecer alfabetização

É digna do mais profundo reconhecimento a iniciativa de universitárias de Birigui que fizeram, do TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), uma iniciativa voltada ao combate de um dos maiores desafios do País: o analfabetismo. Graças à iniciativa de estudantes do último ano de pedagogia, a instituição de ensino superior em que estudam, a Fateb (Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigui) passará a oferecer alfabetização para jovens e adultos a partir da próxima semana.

Interessante é que a ação se dará na própria faculdade, onde quem estuda está atrás de formação profissional. No caso de Birigui, a medida é ainda mais especial pelo fato de a cidade ver sua população crescer por causa da indústria calçadista, o que, muitas vezes, atrai gente de outras localidades do País sem o devido grau de instrução.

Ações como essa deveriam conscientizar pessoas, em geral, para o fato de que a construção de uma sociedade mais justa e igualitária, que são princípios constitucionais, é um dever de todos, não exclusivamente das autoridades públicas e do empresariado. O trabalho, a ser colocado em prática na faculdade de Birigui, vai de encontro a outras ações adotadas na região nos últimos anos e que tiveram resultados expressivos no combate ao analfabetismo. 

No primeiro semestre deste ano, Valparaíso se tornou o primeiro município do noroeste paulista a firmar convênio com o programa Brasil Alfabetizado, do Ministério da Educação, que prevê a erradicação do analfabetismo em 15 anos. E, de Araçatuba, vem uma das maiores conquistas desse campo em nível regional. Foi em 2014 que a cidade sede da região obteve do MEC o Selo de Município Livre do Analfabetismo. O que esses exemplos evidenciam? As ações têm acontecido, mas ainda há muito a se combater. Acabar com o analfabetismo é uma forma de garantir a universalização do ensino, outro princípio legal.

Por outro lado, o projeto das estudantes de Birigui mostra a importância dos trabalhos finais de curso enquanto ferramentas voltadas para a humanização da formação profissional. É louvável o fato de os cursos superiores existentes na região, em geral, estarem trilhando esse caminho.  Recente reportagem da Folha da Região, aliás, mostrou que, ao longo do ano passado, universidades de Araçatuba realizaram mais de 36 mil atendimentos à comunidade em diferentes áreas.
A formação de profissionais mais humanos, voltados a ações que vão atingir diretamente a comunidade, é a garantia de que o mercado de trabalho receberá pessoas mais conscientes das funções sociais de suas respectivas atividades.

LINK CURTO: http://folha.fr/1.360860