Fonoaudióloga Tamiris Alves Araújo de Lima, de Araçatuba, tem graduação pela USP (Universidade de São Paulo)

Todo cuidado ao ouvir um zumbido

Especialista diz que ruído não se trata de doença, mas um sintoma

Imagine ouvir um chiado, um apito, um barulho semelhante ao canto da cigarra ou algo parecido com uma panela de pressão, várias vezes ao dia. O zumbido no ouvido não se trata de doença em si, mas de um sintoma. 
 
Em entrevista à Folha da Região, a fonoaudióloga Tamiris Alves Araújo de Lima, com graduação pela USP (Universidade de São Paulo) explica como identificar o zumbido no ouvido e as orientações quanto ao tratamento.
 
Como saber que se trata de um zumbido do ouvido? 
O zumbido é um som percebido nos ouvidos ou na cabeça, na ausência de um estímulo sonoro do ambiente, ou seja, trata-se de uma percepção sonora sem que exista uma fonte de som externa. O zumbido não é uma doença em si, mas um sintoma bastante comum hoje. Alguns estudos chegam a referir que a cada cinco pessoas no mundo, uma vai se queixar de zumbido.
 
Quais são suas características?
O zumbido pode se assemelhar a diversos sons como apito, chiado, cigarra, grilo, abelha, cachoeira, motor, sirene, panela de pressão, entre outros. Mais raramente, o zumbido é rítmico, parecendo-se com batidas do coração, cliques ou “asas de borboleta”.
 
Quais são os tipos de zumbido?
Temos o zumbido chamado de subjetivo, que é o mais comum e somente o próprio paciente o escuta. Em algumas situações, no entanto, outras pessoas também podem percebê-los, que são os zumbidos chamados de objetivos, mas esses são mais raros.
 
Quais são as causas do zumbido no ouvido?
A causa mais comum do zumbido é a perda de audição. Mesmo que leve, ela ocasiona zumbido na maioria das pessoas. Outros fatores também podem levar a esse sintoma como presença de cera no conduto auditivo, problemas nas taxas de gorduras e açúcares no sangue, os hormônios da glândula tireóide, problemas do pescoço, da articulação da mordida, medicações, abuso de substâncias excitantes como chocolate, chá e café. Alguns especialistas também dizem que o zumbido pode ser um sintoma decorrente de lesões neurais (nervo e cérebro) e outros ainda fazem relação com o nível de ansiedade, uso de bebidas alcoólicas, infecções de ouvido, exposição a níveis elevados de barulho, entre outros. Além disso, o zumbido pode estar acompanhado de outros sintomas, como tontura e intolerância a sons fortes podendo prejudicar a qualidade de vida do portador substancialmente.
 
Isso pode desenvolver uma perda auditiva?
Nunca! O zumbido pode ser uma consequência da perda auditiva e não a sua causa.
 
Em quais casos há perda auditiva?
Na maioria dos casos de zumbido, haverá algum grau de perda auditiva. Mas nem todo o paciente com perda auditiva terá zumbido e nem todo o paciente com zumbido terá perda auditiva. Por isso, na presença de zumbido, deve-se procurar o médico otorrinolaringologista para que possa avaliar o ouvido, a sua audição e o funcionamento de todo esse sistema. 
 
Alimentação pode contribuir para o aumento do zumbido no ouvido?
Sim. Alguns alimentos podem piorar os sintomas do zumbido como café, chá, chocolates, excesso de doces, refrigerantes, bebidas alcoólicas, energéticos. Por isso, recomenda-se que pessoas que sofrem com zumbido realizem uma alimentação mais restrita desses tipos de alimentos.
 
Como é feito o tratamento?
O primeiro passo é identificar qual a base causadora do zumbido para, assim, direcionar a melhor opção de tratamento. Dependendo do caso, o tratamento poderá ser realizado por meio de medicamentos, de restrição alimentar, de reposição hormonal, de uso de aparelhos auditivos, de terapias sonoras, etc. Atualmente, o uso dos aparelhos auditivos em combinação com a terapia sonora tem sido uma alternativa de bastante sucesso para o tratamento do zumbido, pois a amplificação dos sons do nosso meio estimulará o nosso cérebro a mudar o jeito que ele percebe os sons. Há um processo de remodelação da área da audição, fazendo com que o cérebro mude a percepção do zumbido pré-existente. Todo esse processo deverá envolver um fonoaudiólogo atuante da área. Entretanto, é importante ressaltar que todo o tratamento deve ser indicado pelo médico especialista da área.
 
Quais os cuidados para que não aconteça a perda auditiva?
Alguns cuidados são essenciais para a saúde auditiva como evitar ficar exposto em ambientes barulhentos por longo período de tempo sem proteção, bem como em ambientes com produtos químicos considerados tóxicos para a audição, evitar o uso de fones de ouvido em forte intensidade por muito tempo, buscar ter uma alimentação saudável, realizar tratamento adequado para as doenças como diabetes, hipertensão, entre outras, tratar adequadamente as inflamações e infecções de ouvido, evitar medicações tóxicas para o sistema auditivo, dentre outros fatores. Na gestação, deve-se estar em dia com a carteirinha de vacinação para evitar que a criança nasça com algum problema auditivo. Além disso, a qualquer dúvida quanto à audição, deve-se procurar um profissional especializado.
 
Há cura para o zumbido?
Em alguns casos, sim, como limpeza da orelha com grande quantidade de cerúmen (cera), com a mudança da alimentação, com o tratamento adequado das pessoas com problemas de colesterol e/ou glicemia. Em indivíduos com perdas auditivas, o uso dos aparelhos auditivos (associados ou não a terapia sonora) pode eliminar ou minimizar a queixa. Em alguns casos, não se observa a cura total, mas é possível melhorar.
ACESSE AQUI A COLUNA
'SUA SAÚDE'
LINK CURTO: http://folha.fr/1.378776