Flávio Salatino é cardiologista, formado pela Unoeste, de Presidente Prudente

Tempo quente e seco requer os cuidados com o coração, explica cardiologista

Problemas ocasionados pela baixa umidade do ar vão muito além dos existentes relacionados à respiração

As estações mudaram. Nesta transição, o clima seco e a baixa umidade do ar permaneceram. Com o calor intenso que tem feito nos últimos meses na região, é preciso ter em mente a importância dos cuidados com a saúde. 
 
Engana-se quem relaciona as altas temperaturas a problemas respiratórios, apenas. Os problemas infecciosos causados pelo clima seco aumentam os quadros de inflamações no organismo como um todo, estimulando o infarto. Idosos devem redobrar os cuidados.
 
O cardiologista Flávio Roberto Salatino, com formação pela Unoeste de Presidente Prudente e especialização pelo IMC (Instituto Moléstias de Cardiovasculares), tem 20 anos de profissão. Em entrevista à Folha, ele explica como se prevenir a essas infecções. 
 
Quais são as complicações cardiovasculares que podem acometer com o aumento da temperatura? 
A questão está no aumento da temperatura, na umidade relativa do ar e na amplitude térmica vista uns dias atrás. O clima seco aumenta os problemas respiratórios que, por sua vez, aumentam os riscos de processos infecciosos, como pneumonia e sinusite, por exemplo. Esse processo infeccioso aumenta os quadros de inflamação no organismo como um todo e a inflamação é a base do infarto e a agina (é o sintoma de dor e desconforto no peito ou outra região pela interrupção ou diminuição da oferta de oxigênio no músculo cardíaco). As placas de gordura nas artérias, após esse processo inflamatório, podem se instabilizar e fissurar, progredindo com a formação de coágulos sobre elas. Sendo esse o início do entupimento da área.
 
Quais os sintomas do infarto? 
São vários. Os mais comuns são: dores no peito, sensação de angústia ou pressão, peso no peito, a dor pode se irradiar para os braços principalmente para o braço esquerdo, mas ela também pode ir para o estômago, abdômen e também para a mandíbula e o pescoço. Então, a dor no peito é um sinal de alerta. Essa dor, geralmente, pode vir com um suor mais intenso e com ânsia de vômito, tontura, escurecimento das vistas. Então, são vários os sintomas que podem levar à suspeita.
 
Devemos praticar atividades físicas mesmo nesta época do ano, com o aumento de temperaturas?
Sim. Sempre. A pessoa deve escolher um horário que seja mais agradável com um sol mais ameno. Aumentar naturalmente o índice de hidratação, tomar bastante água e usar roupas arejadas. Então, a atividade física não deve ser interrompida. Evitar realizar essas atividades em locais com um transito de veículos muito intenso, devido à poluição do ar e também à poeira que é levantada quando os carros passam, o que pode aumentar o risco de infecção respiratória.
 
Por que os idosos são mais suscetíveis as doenças cardiovasculares?
O paciente, estando com a imunidade naturalmente debilitada, tem uma propensão de sofrer com essas inflamações infecciosas, principalmente nas vias aéreas como: pneumonia, bronquite, sinusite. Esse processo infeccioso compromete ainda mais o sistema imune dele que já está debilitado, aumentando, então, os processos de inflamação que são a base do infarto e da angina. Então, o idoso é mais suscetível porque ele naturalmente tem o sistema imune mais comprometido. Mas existem outras situações, pacientes que fazem uso a longo prazo de medicações como corticoide, pacientes imunodeprimidos por doenças como o HIV, as hepatites. Então, há algumas situações em que a minha imunidade está comprometida. Por isso, naturalmente, eu tenho uma tendência desenvolver processos infecciosos mais fácies. Então, esses grupos eles devem ter um cuidado maior de hidratação e evitar situações de risco como lugares fechados com aglomerações. Porque vírus e bactérias ficam suspensos no ar, aumentando o risco de inalação e desenvolvimento de um quadro de infeção.
 
As queimadas influenciam neste processo?
Sim. Elas aumentam as partículas em suspensão no ar (fuligem) que, por sua vez, quando inaladas provocam um processo inflamatório nos pulmões desencadeando todo o processo. 
 
Como agir quando tiver uma situação como essa?
Procurar o pronto-socorro mais próximo! Na dúvida, tem que passar por um profissional que peça exames como um eletrocardiograma e exame de sangue para chegar ao diagnóstico ou descartando a possibilidade do infarto. Não deve esperar para marcar uma consulta com seu médico de rotina, deve procurar o pronto socorro imediatamente.
Leia esta notícia na íntegra em nossa edição digital para assinantes
LINK CURTO: http://folha.fr/1.363776