Edgar é preso em Araçatuba.

STF concede liberdade a Edgarzinho e mais cinco

Preso em setembro do ano passado com 46 quilos de maconha.

Preso em setembro do ano passado com 46 quilos de maconha, Edgar dos Santos Silva, o Edgarzinho, 49 anos, conseguiu a liberdade provisória, benefício concedido pelo STF (Supremo Tribunal Federal).
O órgão deu provimento ao habeas corpus apresentado pela defesa do acusado e estendeu o benefício aos outros cinco homens que foram presos com ele na ocasião.

Na decisão, o ministro Marco Aurélio argumenta que os acusados estavam presos há seis meses e 13 dias sem culpa formada. “Surge o excesso de prazo, considerada custódia provisória e o estágio do processo-crime, porquanto sequer encerrada a fase de instrução. Privar da liberdade, por tempo desproporcional, pessoa cuja responsabilidade penal não veio a ser declarada em definitivo viola o princípio da não culpabilidade”, cita.

Considerado um dos criminosos mais perigosos do Estado de São Paulo, Edgarzinho é de Araçatuba e foi preso pela Polícia Militar em Birigui. Ele e outros cinco acusados estavam na chácara que pertencia ao também ex-presidiário Agnaldo Fernando de Oliveira, 47, o Agnaldinho.

 
Este último foi morto pela polícia cerca de um mês antes, quando foram apreendidos aproximadamente 120 quilos de maconha e um quilo de pasta base de cocaína.

Edgarzinho também foi preso acusado de participar do assalto transportadora de valores Protege, em Araçatuba, ocorrido em 1997, quando foram roubados R$ 1,7 milhão. Na ocasião, o gerente da empresa foi sequestrado e obrigado a entrar com a quadrilha no prédio.

 

Preso, ele fugiu em 2000 da penitenciária de Mirandópolis. Em 2001, a polícia foi informada da morte dele e a família até tentou realizar uma missa fúnebre em Araçatuba. Porém, ele foi recapturado em 2003, em São Paulo.

Leia esta notícia na íntegra em nossa edição digital para assinantes
LINK CURTO: http://folha.fr/1.401546