Sidney Fernandes é escritor espírita e diretor do Centro Espírita Amor e Caridade, em Bauru. Descreve esta Face Espírita para publicação na Folha da Região

Sidney Fernandes: Podemos fazer o mesmo que o Cristo?

A luz que falta no mundo está dentro de nós. Com ela, contribuiremos para o surgimento de uma sociedade fraterna e solidária. Essa verdade nos foi revelada pelo próprio Jesus, quando declarou, com veemência: “Vós sois a luz do mundo!”. Qual o principal obstáculo que encontramos para vivenciar essa realidade? Achamos que a empreitada é “muita areia para o nosso caminhãozinho”? Os objetivos propostos por Jesus estariam acima de nossas forças? 

Jesus alimentou os famintos. Podemos, sim, imitar o Cristo, fazendo o mesmo que ele fez. Voluntários de um albergue, de asilos, abnegados que servem sopa durante a madrugada, estão fazendo o possível para fazer o mesmo que fazia Jesus. 

Jesus ajudou as pessoas a andar novamente.

Podemos, sim, imitar o Cristo, fazendo o mesmo que ele fez. Quantas pessoas não se engajam em campanhas para aquisição de cadeiras de roda e andadores?
Jesus demonstrou compaixão.

Quantos exemplos de desprendimento e amor nós encontramos em visitas a hospitais, clínicas de crianças doentes ou com deficiências? Podemos, sim, imitar o Cristo, fazendo o mesmo que ele fez.

Jesus cuidou dos doentes.

Não preciso ser médico ou estar integrado a movimentos de “médicos sem fronteiras” para tornar-me colaborador ou voluntário de um hospital ou casa de saúde. Podemos sim, imitar o Cristo, fazendo o mesmo que ele fez.

Jesus ensinou as pessoas.

Educação religiosa, evangelização, alfabetização: quantas oportunidades estão à nossa disposição para também ensinarmos? Podemos, sim, imitar o Cristo, fazendo o mesmo que ele fez.

Jesus cuidou da sua mãe.

Podemos, sim, imitar o Cristo. Visite seus pais, seus avós, um asilo de velhinhos ou simplesmente faça uma visita para um idoso. Eles precisam de atenção.

Jesus orou em favor de outras pessoas.

Podemos, sim, imitar o Cristo. Ore em favor de conhecidos ou desconhecidos, amigos ou desafetos.

Jesus ajudou o cego a ver.

Colabore com as campanhas para deficiente visual ou simplesmente auxilie os movimentos que arrecadam armações de óculos. Podemos, sim, imitar o Cristo, fazendo o mesmo que ele fez.

Jesus nos ensinou a vestir o necessitado.

Faça uma limpeza em seu guarda-roupa ou participe de campanhas de arrecadação de peças de roupa em bom estado. Podemos, sim, imitar o Cristo, fazendo o mesmo que ele fez.

Jesus visitou os solitários.

Telefone ou mande um e-mail a quem você sabe que não será lembrado. Pessoas ao nosso lado podem precisar de ajuda para superar a depressão. Convide um amigo em situação difícil para um almoço fraterno.

Os exemplos e oportunidades de espalhar a luz que existe dentro de nós se multiplicam, em razão direta de nossa disposição de servir.

Não foi à toa que Jesus nos lembrou de que a nossa luz precisa brilhar junto aos homens. De nada adianta ficarmos nas boas intenções, mantendo nossa luz “sob o alqueire”.

Ela precisa ser vista e sentida, com boas obras, não necessariamente com grandes obras, como a do Cristo, porém, com aquilo que cada um pode dar.