Professor morre em Araçatuba após dar entrada em hospital com corte no pé

A Polícia Civil de Araçatuba instaurou inquérito para apurar as causas da morte do professor Célio Ricardo Almeida Barbosa, 40 anos, residente no Jardim Universo. Ele deu entrada na Santa Casa na tarde de sábado (3) com um corte profundo no pé e morreu de hemorragia. Antes, porém, sofreu três paradas cardíacas.

A Folha da Região apurou que a equipe médica que atendeu o paciente acionou a polícia e informou que ele deu entrada na unidade às 16h40. Ele tinha um corte profundo no pé esquerdo e o estado de saúde era considerado grave. A vítima também tinha escoriações e hematomas pelo corpo.

COMPANHEIRA
A companheira do professor, uma professora de 42 anos, disse à polícia que fazia almoço quando Barbosa informou que iria à casa da mãe dele. Por volta das 15h30, ele retornou e estacionou a moto no quintal da residência. Na ocasião, ele não tinha ferimentos, segundo a testemunha.

Entretanto, ao limpar o quintal, algum tempo depois, a mulher encontrou Barbosa caído no chão da varanda. A professora chamou um irmão dela, que entrou em contato com o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e o levou para o hospital.

A equipe médica que atendeu o paciente informou à polícia que ele teve três paradas cardíacas, mas foi reanimado e permaneceu em estado grave. A morte foi constatada às 19h50, devido à grande quantidade de sangue perdida.

PERÍCIA
O delegado plantonista, investigadores e o delegado Rodolfo Carlos de Oliveira, da DIG (Delegacia de Investigações Gerais), estiveram na residência da vítima e acompanharam realização da perícia.

O corpo de Barbosa passou por exame necroscópico e, segundo a polícia, não foram encontradas lesões. Os hematomas citados pela equipe médica podem ter ocorrido durante a manipulação do corpo, segundo o delegado da DIG.

A polícia requereu exame toxicológico e aguardará emissão de laudo para dar sequência à investigação. Segundo a companheira do professor, ele fazia uso contínuo de bebidas alcoólicas e tomava medicamentos para depressão e pressão. Após ser ouvida, ela foi liberada.

LINK CURTO: http://folha.fr/1.387624

Curta nossa fanpage e receba notícias pelo Facebook