Foram utilizados vários sacos para colocar parte dos objetos apreendidos na casa do suspeito

PM faz operação, prende suspeito de furtos e recupera centenas de objetos

Acusado se apresentou como cobrador e instalador de telefone

A Polícia Militar de Araçatuba conseguiu recuperar centenas de objetos furtados de várias vítimas, em operação realizada na noite de segunda-feira (5) para cumprimento de cinco mandados judiciais de busca e apreensão.

A maioria dos materiais estava na casa de um homem de 35 anos, no bairro Sumaré, que já tem passagens por furto e condenação por roubo e porte de arma. Ele foi preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo e de munição de uso restrito, crime sem direito a fiança. A suspeita da polícia é que ele esteja envolvido em vários furtos a comércio e residências na cidade.

Um tio dele, morador no bairro Hilda Mandarino, também foi preso por posse ilegal de arma de fogo e munição, porém, pagou fiança e responderá pelo crime em liberdade. Os produtos apreendidos ficarão à disposição de vítimas para reconhecimento.

RECONHECERAM
Segundo o delegado da DIG (Delegacia de Investigações Gerais), Paulo Natal, somente na manhã desta terça-feira (6), três pessoas estiveram no plantão policial e reconheceram objetos apreendidos como sendo delas. Duas não tinham registrado o boletim de ocorrência comunicando o furto.

O acusado, que se apresentou como cobrador e instalador de telefone, vinha sendo investigado pela polícia pela prática de furtos. Há 15 dias, ele foi detido por equipe da DIG, que o identificou em imagens de um furto a residência. Na ocasião, foram realizadas buscas em outra casa que ele residia e nada foi encontrado.

Outro acusado de participação no crime foi preso na ocasião, confessou o crime, mas disse que não delataria o comparsa.

Recentemente a Polícia Militar descobriu que o acusado estava residindo em outro endereço, na rua Mato Grosso, solicitou um mandado de busca para o imóvel e várias equipes foram para o local, por volta das 18h de segunda-feira, para cumpri-lo. Ele não estava na residência.

ARMA E DINHEIRO
Além dos objetos, que devem ser produtos de furto, a polícia encontrou na casa um revólver calibre 32 com numeração raspada e mais de uma centena de munições dos calibres 38, 32, 26, 22 e 45, esta última de uso restrito.

Também foram encontradas duas notas de R$ 100 falsas, várias folhas de cheque preenchidas e assinadas e aproximadamente R$ 17.500 em dinheiro. No imóvel havia ainda um maçarico, vários pés-de-cabra, um pé de maconha, várias sacolas de remédio e roupas e calçados novos.

DENÚNCIA
Enquanto estavam pelo local, os policiais receberam denúncia de que o morador no imóvel estaria na casa do tio dele, um aposentado de 49 anos que mora no bairro Hilda Mandarino.

Alguns policiais permaneceram na casa recolhendo os objetos apreendidos e uma equipe foi até a residência do tio do acusado. Os dois acusados foram surpreendidos quando deixavam o imóvel em um veículo VW Parati.

A dupla foi abordada e não tinha nada de irregular. Entretanto, na residência de onde eles saíam foram apreendidas duas espingardas de pressão, munições calibre 32 e 28 e dois silenciadores.

Os dois homens foram presos em flagrante e levados para o plantão policial. O tio do acusado de furtos pagou fiança de R$ 1.000 e responderá em liberdade pelo crime de posse ilegal de munição.

Já o homem de 35 anos ficou preso, foi apresentado em audiência de custódia no Fórum e teve a prisão em flagrante convertida em preventiva. Assim, aguardará julgamento na cadeia.


Reincidente, acusado nega a prática de furtos

O cobrador de 35 anos, preso na noite de segunda-feira (5) pela Polícia Militar acusado de envolvimento com furtos a comércios e residências de Araçatuba, negou a prática dos crimes.

Ele prestou depoimento, acompanhado de uma advogada, e alegou que comprou os produtos apreendidos na casa dele para revender. O mesmo disse sobre as munições e o revólver, que alegou ter comprado de pessoas que não lembra mais o nome, também para revender. Segundo o acusado, tudo o que lhe oferecem barato ele compra e depois revende, ato que pratica há cerca de um ano.

O acusado afirmou que mora em casa de aluguel e está brigado com a mulher, por isso estava sozinho na residência na rua Mato Grosso, onde foram feitas as apreensões.

Apesar dos argumentos, o delegado da DIG (Delegacia de Investigações Gerais), Paulo Natal, afirma que o acusado está, sim, envolvido com os recentes furtos ocorridos na cidade. "Toda vez que o acusado está na rua, ele é suspeito de furtos. E sabe disso", afirma.

ROUBO
O delegado informa que já o prendeu uma vez por roubo à mão armada. O crime relacionado a essa prisão aconteceu em 27 de maio de 2008, quando o acusado e um comparsa invadiram uma casa da família Rezek, renderam as vítimas e roubaram diversas joias, relógios, aparelhos de celular, U$ 13.300 e R$ 11.600 em dinheiro.

Preso na época, ele negou a autoria do crime, apesar de ser reconhecido pelas vítimas. O réu foi condenado a 8 anos e 2 meses de prisão no regime fechado. Houve recurso, mas a sentença foi mantida pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), em julgamento ocorrido em maio de 2013.

Com a nova prisão dele, a polícia tentará identificar outras pessoas que o auxiliariam nos crimes. A suspeita é de que o acusado tenha dois ou três comparsas.

Natal explica que é importante que as vítimas de furtos registrem boletim de ocorrência para que a polícia tenha conhecimento dos crimes e possa investigar e identificar os autores. "Muitas vezes a gente vai na casa do suspeito, encontra objetos, mas não tem registro do furto", informa.

LINK CURTO: http://folha.fr/1.387793