Segundo Jacomossi, ideal é tratar a osteoporose com endocrinologista ou reumatologista

Osteoporose: Uma doença muito silenciosa

Distúrbio é uma das grandes causas de morte de idosos

Uma das grandes causas de morte em idosos devido à fraturas em regiões importantes como coluna lombar e quadril, é a osteoporose. Um distúrbio do metabolismo onde os ossos se tornam mais frágeis e propensos a fraturas. A doença não tem cura e nem sintomas como dor, por isso a prevenção, cuidado e tratamento são primordiais.
 
Em entrevista à Folha da Região, o endocrinologista Ângelo César Fernandes Jacomossi explica quais os cuidados com a doença. Ângelo é formado em clínica médica pelo Hospital Universitário da UFG (Universidade Federal de Goiás- GO) e especialização pelo Hospital Brigadeiro (SP), com título de especialista pelas Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metodologia e pela Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade.
 
O que é osteoporose? Como a doença se desenvolve?
A osteoporose é uma doença óssea de instalação lenta, porém progressiva, que não mostra sintomas em suas fases precoces. Caracteriza-se por uma diminuição da resistência do tecido ósseo, ou seja, o osso vai se tornando fraco e suscetível a fraturas. Inclusive, estas, podem ocorrer espontaneamente na coluna vertebral, mesmo na ausência de quedas.
 
Todo mundo pode ter osteoporose?
Os grupos mais suscetíveis de pessoas para a ocorrência de osteoporose são mulheres após a menopausa, tabagistas, pessoas que fazem uso de medicamentos classificados como corticoesteroides, baixo consumo de alimentos ricos em cálcio e algumas doenças hormonais específicas. Já no homem, apesar de ser bem menos frequente, a doença geralmente está relacionada à deficiência de testosterona, o principal hormônio masculino. A OMS (Organização Mundial de Saúde) define osteoporose como sinônimo de DMO (Densidade Mineral Óssea) diminuída. A mesma organização estima que 1 em cada 3 mulheres e 1 em cada 5 homens, acima dos 50 anos, desenvolvem osteoporose no mundo.
 
Quais outras especialidades estariam envolvidas no tratamento?
As especialidades que diagnosticam e tratam a osteoporose são a endocrinologia e a reumatologia. A ortopedia é uma especialidade cirúrgica, com poucos profissionais capacitados para o tratamento clínico da osteoporose.
 
Quais os tipos de tratamento?
É necessária uma avaliação com um endocrinologista, que saberá avaliar a situação e prescrever as dosagens de hormônios corretas para o tratamento. Além dos hormônios, alguns medicamentos para reduzir o risco de fraturas e aumentando a resistência do osso fazem parte desse tratamento. Os atuais tratamentos não revertem a perda óssea completamente.
 
Tem cura?
Não tem cura, mas existem vários tratamentos, todos com a finalidade de reduzir o risco de fraturas, aumentando a resistência do osso.
 
Qual o extremo a que a doença pode chegar?
Em casos extremos, não tratados, o paciente sente muita dor e chega à invalidez, perdendo, inclusive, a autonomia para sua locomoção. Embora a doença seja grave, existem formas de prevenção.
 
Como é essa prevenção?
A prevenção consiste em consumir alimentos ricos em cálcio durante toda a vida (ex: leite e derivados, folhas verdes, peixes (especialmente a sardinha), praticar atividades físicas regularmente, manter níveis normais de vitamina D no organismo, seja pela exposição moderadas ao sol ou mesmo submetendo-se à suplementação por via oral, não fumar, realizar a reposição hormonal, tanto para a mulher quanto para o homem, caso isso se faça necessário.
 
A osteoporose pode levar a outras doenças? 
É uma doença primária que leva à desmineralização óssea e a fraturas recorrentes ou espontâneas na coluna vertebral. 
 
Fumo, álcool e obesidade são fatores de risco? 
Especialmente o fumo. A Obesidade não é fator de risco, sendo até mais comum em mulheres mais magras 
 
Quando é preciso tomar remédios? 
É tratada por medicamentos específicos que reduzem a perda ou até mesmo aumentam a formação óssea. Há também necessidade de suplementação com cálcio e vitamina D na maioria dos casos.
 
O que fazer para prevenir fraturas? 
Primeiramente tratar efetivamente a doença. No entanto, atividade física para melhorar a força muscular e medidas cautelares para evitar quedas são importantes, como por exemplo, não subir em escadas ou bancos para apanhar objetos em locais sem alcance, não colocar tapetes nos caminhos transitáveis dentro de casa, evitar pisos escorregadios, cuidados redobrado ao sair do banho, etc.
 
Quem tem osteoporose pode fazer exercícios? 
Sim, deve se exercitar regularmente, priorizando alongamentos e exercícios que aumentem a força muscular.
LINK CURTO: http://folha.fr/1.381874