Nalberto Vedovotto é coach, jornalista e escritor em Birigui

Nalberto Vedovotto: Salve, Lucas Zanatta!

No artigo que escrevi: “Sr. prefeito, obsceno é outra coisa”, ao final afirmei: “O senhor prestaria um serviço realmente útil à sociedade araçatubense e, por tabela, a todo o País se acionasse a Promotoria Pública, polícias Civil e Federal, para que num trabalho de inteligência recolocasse a escola pública no seu trilho, que é a formação educacional do cidadão, e não massa de manobra de professores e diretores dessa famigerada esquerda improdutiva”.
 
A constatação de que a esquerda improdutiva usou e abusou do direito de infundir na mente de nossas crianças heróis que ela tanto idolatra, mas que nada tem a ver com a história do Brasil, é tão óbvia, a ponto do diretor estadual da Apeoesp ratificá-la.
 
O Periscópio, na edição do dia 28 de outubro, trouxe a seguinte nota: “O diretor estadual e secretário da Apeoesp, Odimar Silva, disse que o sindicato é contrário ao programa Escola Sem Partido, que pretende proibir a doutrinação ideológica e partidária em escolas”: — Eles querem dizer que não podemos falar de partidos e política?
 
Não pode mesmo, senhor Silva! A não ser que o senhor se revista da coragem de muitos empresários que fundaram sua própria instituição de ensino, e abra uma escola todinha sua para difundir a doutrinação ideológica que queira: a seus filhos, netos e parentes mais próximos, pois duvido que a maioria dos brasileiros tolerará pacificamente essa mania que certos esquerdistas têm de achar que podem interferir na formação política das crianças, doutrinando-as naquilo que acreditam e professam! 
 
O governo do Estado de São Paulo, que é do PSDB, também não tem o direito de fazer com que as crianças das escolas públicas acreditem que seu partido seja a solução para os problemas do País. Tem a obrigação de convocar urgentemente todos os seus diretores de ensino, e exigir explicação desta vertente ideológica de esquerda, que se instalou nas escolas pagas com o dinheiro do contribuinte.
 
Esses professores e diretores ligados diretamente ao PT, que “deitaram e rolaram” na área de educação nas últimas décadas precisam entender que seu reinado chegou ao fim. A população brasileira perdeu o medo que tinha da truculência com que reagiam as ações contrárias à sua forma de querer implantar uma republiqueta neste país tão maravilhoso chamado Brasil.
 
Felizmente, nas últimas eleições políticos novos foram escolhidos pelo povo, e entre eles, na cidade de Araçatuba destaco o vereador Lucas Zanatta (PV), que atento às causas de interesse público, vai encaminhar anteprojeto ao prefeito, para implantar o programa Escola Sem Partido na rede municipal de ensino.
 
Parece que o brasileiro está acordando e deseja dar um rumo verde-amarelo a essa nação, que por muitos e muitos anos “vestiu-se” de vermelho e chegou onde chegou, atingiu o fundo do poço em todos os sentidos, principalmente no que se concerne à honestidade e corrupção.
 
Parabéns, Lucas Zanatta! Um político quando se presta a ocupar um mandato popular precisa revestir-se do caráter de verdadeiro estadista, enfrentando com todas as forças que tem, correntes que visam o estabelecimento de uma sociedade comandada por grupelhos, cujo ideal é o poder pelo poder, a qualquer custo.
 
A população de Araçatuba precisa fazer sua parte, ficar de olho quando essa matéria for a plenário e exigir uma escola livre das amarras de pessoas que se julgam acima de quaisquer sistemas de vigilância. Basta de uma sociedade dividida ao meio, por culpa de educadores que deveriam se preocupar única e exclusivamente em ensinar para o que são pagos.
LINK CURTO: http://folha.fr/1.371753