Mudanças no rotativo

O sistema visa assegurar aos cidadãos o direito de estacionamento em áreas de grande fluxo

A polêmica em torno da zona azul em Araçatuba tem servido para trazer melhorias aos serviços. Foi lançada na segunda-feira (22), em entrevista coletiva, uma novidade que deve agradar os usuários do sistema. A partir de agora, quem fizer o pagamento do rotativo pelo aplicativo disponibilizado, conseguirá reaver os créditos não utilizados informando o horário em que saiu da vaga. Verdade seja dita, a maioria dos usuários não permanece todo o tempo adquirido nas vagas.

A probabilidade de fracionar este tempo, obtendo de volta o valor não utilizado, será uma boa maneira de garantir que não se pague pelo que não está sendo usufruído, prática muito comum, assim como a não devolução de troco pelos parquímetros. Antigamente, os usuários tinham um “chaveiro”, que era recarregado e utilizado o crédito somente do período em que permaneciam estacionados, de fato. Esse era o melhor sistema do ponto de vista dos contribuintes, já que havia parquímetros em todas as vagas de estacionamento do rotativo. A recarga desse chaveiro era feita conforme a utilização.

O sistema de estacionamento rotativo existe em diversos locais e visa assegurar aos cidadãos o direito de estacionamento em áreas de grande fluxo de veículos, especialmente onde há comércio. Quando isso não ocorre, as vagas no Centro, por exemplo, ficam tomadas por veículos de pessoas que trabalham nesses arredores, dificultando, ainda mais, a vida de quem precisa ir aos bancos ou comércio ali localizados.

O que se questiona é a fábrica de multas que virou a zona azul, pois há muitos funcionários e, até mesmo, guardas municipais que ficam multando veículos estacionados irregularmente de maneira que, ao exceder o tempo contratado, o cidadão fica sujeito a advertências bastante pesadas. Muitos desses parquímetros estão em áreas de clínicas médicas e hospitais, onde o tempo de estadia na vaga não depende, somente, da vontade do usuário.

A educação seria a melhor maneira de garantir a justiça para todos e que os serviços prestados não fossem tão caros. Em países desenvolvidos, por exemplo, não há pessoas fiscalizando o tempo todo, mas caso haja a fiscalização e o parquímetro não esteja ligado, as punições são bem severas. É o caso da máquina de venda de jornais que, quando se coloca o valor do exemplar, abre-se com todos os exemplares lá dentro, possibilitando à pessoa levar somente o seu ou todos os existentes. 

Vai da consciência de cada um olhar por seus atos e agir em conformidade com a lei. As consequências podem ser mais ou menos drásticas, dependendo do ato, mas a certeza de agir de maneira correta deixa uma sensação de dever cumprido com o próximo. 

LINK CURTO: http://folha.fr/1.385927