Reposição hormonal para amenizar sintomas da menopausa é segura, mas deve ser tratada e discutida de maneira individualizada

Menopausa: os cuidados da reposição hormonal

Médico explica quais contraindicações são utilizadas

Chegar aos 45 anos traz muitas mudanças físicas para o corpo delas. A menopausa nada mais é do que o período que marca a última menstruação da vida de uma mulher. Isso ocorre porque há a interrupção de suas ovulações e a queda progressiva dos níveis do principal hormônio do seu corpo, o estradiol, popularmente conhecido como hormônio feminino. 

No entanto, sua chegada é marcada, normalmente, por sintomas desagradáveis como ondas de calor, sudorese fria, alterações de humor e insônia. A principal forma de tratamento para aliviar os sintomas da menopausa é a reposição hormonal. Porém, muita gente fica em dúvida sobre a segurança desse método. 

Em entrevista à Folha da Região, o ginecologista José Ortiz Junior com 20 anos de atuação, explica quais as contraindicações com relação ao método utilizado. Ortiz é formado pela UFTM (Universidade Federal do Triângulo Mineiro) com residência médica pela Santa Casa de Araçatuba e especialização em sexualidade humana pela USP (Universidade de São Paulo).

O que caracteriza a menopausa?
A menopausa é o período fisiológico após a última menstruação espontânea da mulher. Nesse espaço de tempo estão sendo encerrados os ciclos menstruais e ovulatórios. O início da menopausa só pode ser considerado após um ano da última menstruação.

Quando começa a menopausa?
Não há uma idade exata para a menopausa, ela varia de mulher para mulher. Em média, ocorre entre os 45 e 55 anos.

Quais são os sintomas da menopausa?
Os sintomas mais comuns são as ondas de calor (fogachos), sudorese fria, alterações de humor (irritabilidade, ansiedade), insônia, diminuição da libido (desejos sexuais), secura vaginal, dentre outros. Cada um dos sintomas pode variar de mulher para mulher e depende muito da fase da menopausa, se ela é imediata ou mais tardia.

Nesta fase da vida da mulher, qual o papel do ginecologista?
Tem um papel fundamental. O ginecologista é o profissional que auxiliará a mulher, esclarecendo suas dúvidas, fazendo o diagnóstico e avaliando o melhor tratamento para uma melhora do quadro. Exames físicos e complementares são importantes para a condução do caso.

Qual a diferença entre Climatério e Menopausa. Existe confusão a respeito?
É muito comum a confusão dos termos climatério e menopausa, pois são termos que representam a mesma fase da mulher, em momentos pouco diferentes. No caso do climatério, trata-se de um conjunto de sintomas que surgem antes da menopausa, causados, principalmente, pelas variações hormonais típicas desse período e que podem ocasionar uma série de alterações no ciclo menstrual. Nessa fase de transição, é comum que as menstruações fiquem mais espaçadas, ora ciclos curtos ora longos. Já na menopausa os hormônios estão a níveis muito baixos, há ausência da menstruação, porém os sintomas podem ou não estar presentes.

A menopausa pode vir associada a outras doenças?
A menopausa deve ser, como em todas as fases da vida da mulher, acompanhada, pois podem ocorrer patologias concomitantes ao período em questão, mesmo porque é uma fase mais susceptível a patologias devido a própria idade.

Quais são os exames periódicos indicados para esta fase da vida?
A mulher menopausada deve fazer anualmente seus exames de prevenção, a citologia (Papanicolau), ultrassonografia e mamografia, além do seu exame físico.

Quando a reposição hormonal é necessária? Existem métodos alternativos?
A reposição hormonal é o tratamento adequado para o caso, porém sempre deve ser avaliado pelo ginecologista da mulher, pois existem indicações e contraindicações para este tratamento. Sempre é discutido, caso a caso, para decidir a melhor solução. Existem os tratamentos hormonais propriamente ditos e os alternativos, para as mulheres que tem contraindica-ções, volto a afirmar, sempre discutido e avaliado pelo médico e paciente.

A reposição hormonal é um método seguro?
A reposição hormonal é um método seguro, desde que bem indicado e que a paciente se comprometa a seguir e acompanhar anualmente fazendo os exames de controle.

Quais os cuidados que as mulheres devem ter com a saúde, nesta fase da vida?
Além de terapias medicamentosas, recomenda-se atividades físicas para bom condicionamento, fazer o que gosta, ter períodos de lazer, não parar de exercitar o cérebro com boas leituras, tentando estar de bem com a vida, pois ajuda muito na qualidade de vida.

LINK CURTO: http://folha.fr/1.381069