Luiz Carlos Barros Costa foi dirigente policial em Araçatuba e é presidente da Associação Espírita Missionários da Luz, em Fernandópolis (SP). Descreve esta Face Espírita/10 Anos de Folha da Região para publicação exclusiva.

Luiz Carlos Barros Costa: Somos médicos de nós próprios

Stephen Hawking, um gênio na física, desencarnou há uma semana com 76 anos. Aos 23, adquiriu a doença autoimune ELA (Esclerose Lateral Amiotrófica), com diagnóstico de apenas dois anos de vida; viveu 53 anos a mais!
 
Ele não aceitou a conclusão médica, que é sempre apoiada na estatística da maioria dos pacientes dessa ou daquela enfermidade. Joanna de Ângelis ensina que a mente condensa o que se cultiva, plasmando essa força magnética nas células: “ proporcionando-lhes vitalização ou desgaste, defesas ou perdas...” (médium Divaldo Pereira Franco, na mensagem “Curas”).
 
Essa conscientização leva à certeza de que a cura significativa somente se processa do interior ao exterior, por meio da realidade do amar a si e ao próximo. Por que o amor é condição básica para cura de qualquer enfermidade?
 
Por um raciocínio lógico encontrado na conduta de Jesus, quando viveu na Terra. Quando um doente se acercava Dele, deveria responder a uma pergunta: “O que queres que Eu te faça?” (Marcos, 10:51).
 
O que objetivava o Mestre? Acionar as energias que gravitam na mente, trabalhando os potenciais extraordinários do próprio assistido. Após a ação curativa, nos painéis mentais oferecidos pelo enfermo, o Divino Terapeuta orientava: “A tua fé te curou”. (Lucas, 8:48).
 
E advertia: “Olha que já estás curado, não peques mais, para que não te sucedas coisa pior”. (João, 5:14). E qual a razão dessa advertência?
 
A fim de que a cura seja uma realidade, é preciso acionar os mecanismos da força íntima da vontade, com “uma profunda mudança de hábitos mentais e comportamentais da criatura, que permanecerá vulnerável, sem defesas imunológicas”. (Joanna de Ângelis/Divaldo Franco).
 
No exemplo de Stephen Hawking, é possível compreender que o paciente não deve registrar negatividades no seu inconsciente, mas cultivar pensamentos saudáveis, aceitando a doença com uma frase determinante: Vou curar você, com as minhas outras células saudáveis.
 
Desenvolver produção contínua de energias saudáveis, sem aceitar-se doente, mas em evolução à saúde real. Fazer uma análise para saber se tem mágoa de alguém é fator decisivo à cura. O ódio, a mágoa, o ressentimento, a malquerença são vírus inoculados pelo próprio doente, que se multiplicam, produzindo os bolsões de desajuste celular, causas das enfermidades de modo geral.
 
“Curar ou curar-se é forma de contribuir para o bem-estar do próximo. Curar é participar com elevado sentimento de compreensão das debilidades alheias”.(Joanna/Divaldo).
 
Buscar a força magnética no próximo! O que fez Stephen Hawking ao contribuir para melhor qualidade de vida da humanidade, pelos seus estudos no mundo da física.
 
A finalidade mais expressiva da neurociência é a análise do cérebro e das capacidades cognitivas e comportamentais do ser humano.
 
A contribuição científica é orientar que a cura é um cuidadoso processo de integração entre o indivíduo e os programas superiores da vida.
 
Curemo-nos, pois!
LINK CURTO: http://folha.fr/1.395324