Professor usa recortes de jornais para explicar vários conteúdos aos alunos

Jornal é ferramenta para olimpíada do conhecimento nas escolas

Os jogos olímpicos em Londres já terminaram. Os Estados Unidos sagraram-se campeões. O Brasil ficou na 22ª colocação, uma acima da conquista de 2008 em Pequim, quando ficou em 23º lugar. Surpresas como a medalha de ouro de Arthur Zanetti nas argolas não serão esquecidas, mas outros resultados podem desaparecer rapidamente da lembrança das pessoas.

Menos para os alunos da Emeb (Escola Municipal de Ensino Básico) Leda Aparecida Lima Martins, que fica no bairro Morada dos Nobres, em Araçatuba. É que o professor de educação física, Ivanildo Carlos Maciel de Lima, fez questão de envolver as 12 salas de aula do 1º ao 5º ano no projeto “Tempo de Olimpíada” em que os estudantes foram estimulados a ler e discutir notícias veiculadas na Folha da Região sobre o evento, selecionar os dados mais importantes e montar murais com as informações, tarefa em que foram ajudados pela professora de arte Aldenira Cristina.

Detalhe: Antes desta ação educativa, o professor e a escola não eram parceiros oficiais do Programa Jornal e Educação Ler para Crescer. Ele conhecia as práticas pelas reportagens veiculadas nesta página, às terças-feiras, onde se inspirou. A partir desta semana, a escola já está oficialmente entre as escolas parceiras recebendo uma assinatura diária para a sala dos professores e 20 exemplares semanalmente para as atividades em sala de aula.

MULTIDISCIPLINAR
Durante os jogos, os alunos levaram para as aulas de educação física, os recortes da Folha. O professor aproveitou cada leitura para explicar a história dos jogos olímpicos, as modalidades, os símbolos olímpicos, o regulamento, além de tratar de outros aspectos interdisciplinares, como língua portuguesa (leitura compartilhada e debates dos recortes), matemática (soma, subtração, medidas, grandezas, peso, tempo de duração de provas) e geografia (localização do país sede e dos participantes).