Prestes a completar 45 anos em 11 de junho, o jornal Folha da Região chega a marca histórica

Folha da Região chega à marca de 14 mil edições

Jornal cobriu fatos emblemáticos e marcantes da região

Prestes a completar 45 anos em 11 de junho, o jornal Folha da Região chega neste sábado (1º) a 14 mil edições, considerada uma marca histórica de um periódico que abrange a maior parte do noroeste paulista. Ao longo desses anos, o jornal cobriu fatos emblemáticos e marcantes dentro de todas as áreas, que vai da política ao esporte.

Em 10 de setembro de 1986, o diário publicou matéria sobre o assalto na agência do Banco do Brasil, em Birigui. Na época, ladrões levaram Cr$ 5 milhões, no crime que se tornou um dos maiores assaltos do ano praticados no interior de todo o Brasil. 

Três anos depois, também em setembro, dia 12, o destaque foi para a assinatura de um acordo da então prefeita Germínia Venturolli com a Rede Ferroviária Federal S.A. para retirada dos trilhos do centro de Araçatuba. O plano seria concretizado até 1992.

Na área da saúde, o jornal trouxe o registro do primeiro caso de dengue em Araçatuba, em 21 de dezembro de 1990. Com a confirmação da doença pela Sucen (Superintendência de Controle de Endemias), toda a cidade foi pulverizada. 

CASSAÇÃO
Quinze anos depois veio a notícia da cassação do prefeito Jorge Maluly Netto, hoje falecido, por unanimidade. Em 27 de julho de 1990, o Tribunal de Justiça de São Paulo cassou Maluly por ato de improbidade administrativa referente ao caso Banco Interior. 

O político recorreu e conseguiu se manter no cargo até 2 de setembro de 2008, quando o TJ-SP determinou a imediata execução de sua cassação. Três dias depois, a Justiça autorizou sua saída e a vice-prefeita, Marilene Magri, assumiu a Prefeitura.

No esporte, o time de voleibol masculino Vôlei Futuro conquistou o título inédito para Araçatuba. 

Na edição de 20 de novembro de 2010, o jornal destacou que a equipe foi campeã paulista pela primeira vez. Um ano depois, em 8 de dezembro, foi a vez da equipe feminina do Vôlei Futuro ganhar o Campeonato Paulista, vencendo o Sollys-Osasco. 

EVOLUÇÃO
Para o editor-chefe da Folha da Região, Arnon Gomes, as 14 mil edições foram suficientes para que o jornal acompanhasse, principalmente, a evolução da microrregião ou nona região administrativa do Estado. 

“Quando falo em ‘evolução’, entra uma série de acontecimentos, como o crescimento populacional (hoje, há mais de 800 mil habitantes), a consolidação como polo no ensino superior, a mudança de ciclo econômico (da pecuária para a cana), o fim de ciclos políticos e conquistas, como a chegada de grandes empresas, a duplicação da rodovia Marechal Rondon e a retirada dos trilhos da antiga estação. Estes são apenas alguns aspectos”, lembrou.

Gomes acredita que a Folha conquistou seu espaço por levantar algumas bandeiras essenciais ao sucesso do jornalismo, dentre elas, defender os interesses da região de Araçatuba nas diferentes searas da sociedade, com credibilidade, imparcialidade e pluralidade. “Isso, sempre pautado na responsabilidade com que trata os assuntos e na conduta ética de seus profissionais”, salientou.

Questionado sobre os desafios que o periódico tem pela frente, o editor-chefe comentou que a luta, hoje, é para se modernizar, “o que não significa que, lá atrás, esse processo já não tenha começado”. 

Ao mesmo tempo que questiona: como tornar o jornal impresso diferente e atrativo a cada dia para o leitor, sendo que, muitas das principais notícias do dia já são de conhecimento dele pela internet? Vem a resposta: Entram várias apostas. Primeiramente, a inovação, gráfica e editorial. 
“Daí a aposta em assuntos exclusivos, na forma de tratamento dos fatos que já são de conhecimento de todos, na análise, na humanização da notícia, nas entrevistas, etc. Por isso, acredito: o processo de reinvenção dos jornais não tem prazo para acabar.”  

Marca é uma vitória da cidadania, diz presidente da APJ

Chegar à edição de número 14 mil é uma vitória do jornalismo, disse o presidente da APJ (Associação Paulista de Jornais), Renato Delicato Zaiden. “Em especial uma vitória da cidadania, que é a sustentação da democracia.”

Em meio a tantos desafios, destaca o dirigente, “o jornal mostra o quanto a informação editorial livre, sério e com a credibilidade inquestionável de um veículo como a Folha faz toda a diferença. É um acontecimento que deve ser comemorado por todos que valorizam a busca da verdade e da evolução permanente”.

Zaiden afirmou que ainda há crescimento da leitura do jornal. “No papel há um encantamento e prazer da leitura. No on-line, seja no desktop, nos aplicativos para celular, nas redes sociais, o imediatismo das informações e a interação atendem às necessidades de atualização instantânea.”

No caso dos jornais da APJ, o regionalismo e a credibilidade são cada vez mais o grande diferencial para a sobrevivência e ampliação da leitura em geral. 
“Somos únicos, temos o que de principal acontece no mundo e no País, mas somos exclusivos na cobertura de tudo o que importa no universo regional. Os leitores não querem de nós só os fatos, mas os porquês, as consequências e também um posicionamento, questionamento ou analise destes.”

Diretora-geral comenta a transformação do leitor

A diretora-geral do jornal Folha da Região, Ana Eliza Assis Lemos Cenci, afirma que uma das grandes transformações pelas quais a empresa passou foi sua adaptação à era tecnológica, após o surgimento da internet e, consequentemente, o fenômeno das redes sociais. “Modificou em muito a forma de distribuição da notícia. E assim as empresas jornalísticas foram atingidas em cheio”, frisou.

Segunda Ana Eliza, a quantidade imensa de informações, muitas vezes de conteúdo duvidoso e que afeta as pessoas no seu dia a dia, confunde e até mesmo influencia negativamente na postura diante dos fatos e do comportamento muitas vezes superficial que aliena em vez de engajar. 

“Com as transformações rápidas porque passa o mundo, nada é tão importante em se tratando de informação quanto o jornalismo sério e comprometido. É este que temos que preservar, independente do canal de distribuição, e é este que sempre foi e será o objeto do trabalho da Folha da Região”, salientou.

Desde o princípio, a diretora lembra que o lema da Folha sempre foi o de levar aos seus leitores a informação verdadeira e transformadora na luta pelo desenvolvimento da região, estejam eles onde estiverem e pelos canais por eles escolhidos. 

“O leitor, antes passivo, tornou-se ativo e a tecnologia tornou tudo isso muito mais rápido”, completou. 

Na visão de Ana Eliza, a instantaneidade com que se reproduz os fatos hoje coloca a pessoa num mundo de mudanças muitas vezes difícil de entender e até mesmo de se adaptar. Seja pelo celular, pelo tablet, pelo computador, ou folheando o jornal todas as manhãs, como muitos ainda preferem, ela conta que quer que a Folha da Região continue presente na vida dos cidadãos de Araçatuba e da região todos os dias. 

“E por que não do mundo? E pretendemos continuar com nosso trabalho superando os obstáculos e contando com todos aqueles que acreditam que o jornalismo é importante para a democracia e para o desenvolvimento. E que a leitura faz a diferença quando se trata de entender melhor a realidade, ter posição definida e ação transformadora”, concluiu.

Site foca na simplicidade e praticidade da tecnologia

No ar desde a semana passada, o novo site da Folha da Região foca na simplicidade de acessar as informações e na praticidade, já que se adapta em qualquer tela, principalmente a do celular. Isso foi feito para facilitar a vida do internauta e leitor do jornal. 

De acordo com o editor-executivo da Folha, José Marcos Taveira, a velocidade da internet exige que as empresas jornalísticas estejam em constante atualização, modernizando-se para atender melhor o leitor.

“E como os celulares se transformaram no principal meio de acesso às nossas notícias, em alguns horários chegando a 90%, era necessário adequar o conteúdo. Agora, o site é totalmente responsivo, adequando-se automaticamente a qualquer tela”, explicou, ao citar que foram criadas ainda três capas, além da própria home: Araçatuba, Região (com informações de Birigui, Penápolis, Guararapes, Andradina e outras cidades cobertas pela Folha) e Polícia, que, segundo ele, reúne todas as tragédias que uma boa parte dos leitores gosta. 

Taveira ressalta que o carro-chefe ainda é o jornal impresso, sendo o site um complemento. 

“Um dia poderá se transformar na mídia principal, com certeza, porque as novas gerações estão cada vez mais ligadas ao digital. Quando isso acontecer, a Folha estará preparada”, afirmou o editor-executivo. 

Na sua avaliação, Taveira cita que a ferramenta virtual da Folha está dentro dos padrões dos melhores sites de notícias. “Tem um código moderno por trás, o que permite aumento na velocidade de acesso. Enfim, tem a qualidade que o leitor da Folha merece.”