Fernanda Marques, de Birigui, é consultora em gestão de pessoa, profissional da área de RH, formada em administração, pós-graduada em RH e psicologia organizacional, psicodramatista e escritora

Fernanda Marques: Quer um conselho? Não estude!

Sou cantora e me propus a cantar no carnaval. Deveria estar feliz por ser convidada para cantar com um grupo muito bacana da cidade, mas, por um instante, me senti extremamente revoltada. E você deve estar pensando: "O que eu tenho a ver com isso?" Você, tanto quanto eu, tem culpa nessa dor e revolta! Sim, mas não pare de ler ainda. Você vai entender o motivo.

Para mim, cantar nunca foi uma profissão. Sempre achei que deveria seguir o conselho de minha mãe em estudar e "ser alguém na vida". Então, cursei uma faculdade e duas pós-graduações. Sou profissional de RH e, com frequência, as pessoas me procuram para saber o que fazer de sua vida profissional. Isso me deixa muito feliz. Tento contribuir, estimulando a pessoa a seguir aquilo que mamãe dizia. 

Mas hoje, ouvindo e tentando aprender um repertório variado em estilos que fazem sucesso para cantar no carnaval, a revolta bateu como um tapa e cheguei à seguinte conclusão: se fosse orientar qualquer pessoa hoje sobre carreira, certamente diria: "Não estude"! Principalmente se a pessoa quiser ganhar muito dinheiro e ter sucesso. Seja jogador de futebol. O País valoriza muito o jogador de futebol e acredito que menos de 80% deles não devem ter ensino superior.

Seja cantor. Mas não qualquer cantor ou cantora: você precisa dizer o que as pessoas sentem ou pensam. Falar sobre frustração de ser corno, sobre sexo, estupro ou pedofilia (sabe as novinhas?), falar sobre o fato de ter sido abandonado e sair para encher a cara. 

Parece simples, não? Mas tem a dificuldade: para escrever esse estilo em que um profissional ganha mais de R$ 10 milhões por mês, você não precisa conhecer nossa linda e bem estruturada língua portuguesa. É preciso desrespeitar todas as regras de concordância, tempo verbal, usar gerúndio e ainda escrever errado. 

Se não quiser nenhuma das alternativas anteriores, então faça um canal no Youtube. Grave vídeos fazendo piadas de coisas sérias, coisas pelo qual deveríamos lutar e aceitarmos, fale errado e, de vez em quando, filme algo sacaneando alguém. Isso faz muito sucesso também! Tem mais uma alternativa: se for uma mulher com bunda avantajada ou um cara sarado, pode se propor a cantar qualquer coisa de short curto ou quase sem roupa. Sucesso garantido!

Assim, não é preciso estudar para nada disso. Ainda temos chance. Talvez eu consiga gravar um CD com tudo isso que acho estranho e fazer um sucesso enorme para, então, conseguir comprar uma casa, um carro do ano e não precise apresentar nenhuma qualificação profissional.

E temos culpa nisso! Estamos emburrecendo, partindo para o critério do mínimo desejável no mundo profissional. Não há preocupação em estudar nas escolas, mas em fazer a melhor "sarrada", se é assim que escreve. Bora lá! Vou ensaiar mais um pouco disso tudo. Talvez, pelo tamanho de minha bunda, um dia me vejam na TV cantando isso que estamos acostumados a ouvir.

LINK CURTO: http://folha.fr/1.386917