Entre a nostalgia e o abandono

É preciso olhar a recuperação do Mercadão como uma forma de estimular o desenvolvimento

Ver o antigo Mercado Municipal, em Araçatuba, hoje, é motivo de tristeza e preocupação. Para os mais antigos, fica a nostalgia do passado, quando o local, destinado à venda de frutas, verduras e legumes, era também ponto de encontro de famílias e amigos. Para o momento atual, representa o abandono de um espaço que poderia, e muito, contribuir com o desenvolvimento econômico da cidade.

Na esfera político-administrativa, as soluções para o problema ainda caminham a passos vagarosos. A Prefeitura afirma ter projeto para a revitalização, porém ainda sob análise jurídica. Na Câmara Municipal, após reclamações de moradores, o vereador Jaime José da Silva (PTB) apresentou requerimento questionando quais os planos para melhorias no local, enquanto outro parlamentar, Lucas Zanatta (PV), acredita que a saída estaria numa PPP (Parceria Público-Privada).

É difícil, no entanto, prever se projetar o Mercadão para a retomada exclusiva do comércio de hortifrútis seria algo a prosperar. Afinal, a expansão do setor supermercadista na cidade a partir da década de 1990 é apontada como um dos principais fatores para o esvaziamento do antigo entreposto, hoje com apenas três comerciantes — no passado, chegou a ter 139, conforme reportagem da edição do último domingo deste jornal.

Por outro lado, existem várias possibilidades de o município dar vida àquele lugar. Em comentários publicados no portal da Folha, há quem fale até na utilização do espaço para a sede da Prefeitura, que, há anos, funciona junto à rodoviária. Mas muito pode ser pensado a partir de uma revitalização.

A atual situação do local representa uma incoerência por uma série de razões. A cidade enfrentou, nos últimos anos, epidemia de dengue e, recentemente, passou a lutar contra o avanço de escorpiões, que fizeram crianças como vítimas. 

Um imóvel grande e naquelas condições pode, portanto, constituir um ambiente propício para o Aedes Aegypti e animais peçonhentos. A incoerência reside também no fato de que o Mercadão está situado em uma das áreas mais bonitas da cidade, a avenida João Arruda Brasil, famosa pelas suas palmeiras, que conta ainda com comércio variado e unidades de ensino em sua proximidade.

O estado de abandono do Mercado Municipal, também utilizado por moradores de rua, reflete, em parte, o descaso do poder público com pontos estratégicos da cidade. Fica, assim, mais um desafio para a gestão do prefeito Dilador Borges (PSDB). É preciso olhar a recuperação do Mercadão como uma forma de estimular o desenvolvimento.

LINK CURTO: http://folha.fr/1.365620