Dilemas de saúde pública

É preciso mobilização da população e do poder público para evitar epidemia

Com 109 anos recém-completados, Araçatuba ainda tem desafios que muitas cidades, às vezes até mais novas, já conseguiram superar. Uma parte desses problemas está na saúde pública. O ano vai chegando ao fim com casos de leishmaniose, dengue e ataque de escorpiões assustando a população e, ao mesmo tempo, exigindo um esforço conjunto do poder público e da comunidade em busca de solução.

Somente em novembro, foram confirmados três casos de leishmaniose em humanos. No ano, segundo as estatísticas oficiais, são nove. No último dia 18, a Folha da Região mostrou que, em um mês, Araçatuba registrou 78 acidentes com escorpiões, totalizando 423 ocorrências. Em um dos momentos de maior comoção na cidade, em setembro, uma menina de 4 anos de idade morreu após ser picada quando caminhava com a família pela rua dos Fundadores, ao sair de uma igreja. 

Agora, a dengue. Matéria publicada ontem neste jornal noticiou que a Prefeitura intensificou mobilização voltada ao combate à doença. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, Araçatuba é um dos seis municípios paulistas em situação de risco para a doença, assim como a zika e a chikungunya, todas também transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. Ainda fazem parte deste grupo indesejável os municípios de Ribeirão Preto, Guarujá, Jandira, Peruíbe e Jaboticabal.

Tão alarmante quanto esse cenário é constatar uma situação em que o exemplo não é dado por quem deveria. Na última terça-feira, após denúncia de morador, a reportagem deste matutino flagrou a calçada localizada atrás do Centro de Controle de Zoonoses, serviço mantido pela Prefeitura de Araçatuba, tomada pelo mato alto. O mesmo local, segundo munícipes, serve de ponto para descarte irregular.

Todos os problemas elencados neste texto têm causas e explicações distintas, mas é fato que, quando a preocupação com a limpeza é levada a sério, podem ser evitados. Nunca é demais enfatizar que somente uma ação conjunta da sociedade com o poder público focada na prevenção é capaz de evitar o avanço da dengue, zika, chikungunya, leishmaniose e, claro, a proliferação de escorpiões.

O governo de São Paulo acaba de acender sinal de alerta para a dengue em Araçatuba, mas esse recado já foi dado, na verdade, em 2010, quando houve epidemia da doença na cidade. Espera-se, portanto, que as mobilizações surtam seus efeitos práticos junto à comunidade, mas também a rede pública de saúde esteja preparada para atender à população e salvar vidas. 

LINK CURTO: http://folha.fr/1.377857

Curta nossa fanpage e receba notícias pelo Facebook