Parte dos empreendedores já chegou a completar mais de 20 anos nos imóveis, renovou a concessão, sem ter nas mãos as matrículas

Depois de três décadas, parque industrial caminha para a regularização de lotes

Em um mês, deve ser entregue a documentação a empresários

Colocar em ordem a papelada relacionada à posse dos lotes onde estão instaladas as fábricas é uma antiga reivindicação dos empresários instalados nos distritos industriais de Araçatuba. Parte dos empreendedores já chegou a completar mais de 20 anos nas áreas, renovou a concessão por igual período, sem ter nas mãos as matrículas dos terrenos. A falta de documentação prejudica a indústria local principalmente por oferecer um obstáculo para obtenção de financiamentos.

Depois de exatas três décadas, a regularização dos terrenos do parque industrial Maria Isabel Piza de Almeida Prado, criado em 1988, está perto de se tornar uma realidade. A previsão do secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Relações do Trabalho e Desenvolvimento Agroindustrial, Erik Carneiro é de que os empresários concessionários tenham a matrícula em um prazo de 30 dias. A regularização agora depende apenas de um laudo técnico da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo).

TOPOGRAFIA
Um dos motivos para o processo passar anos emperrado era a necessidade de um levantamento topográfico dos distritos que acompanhasse as mudanças no mapa daquela região. Embora as áreas dos distritos Alexandre Biagi e Maria Isabel Piza de Almeida Prado, ambos na zona norte de Araçatuba, tenham sido adquiridas pela Prefeitura há décadas, a contratação do serviço só foi oficializada em dezembro de 2016. 

O investimento do município foi de R$ 63,4 mil, conforme divulgado na época. De acordo com Carneiro, o levantamento topográfico, iniciado em março de 2017, já foi finalizado no parque Maria Isabel Piza de Almeida Prado e está próximo da conclusão no Alexandre Biagi. Juntos, os dois distritos têm 45 empresas ativas. Depois da obtenção do laudo técnico da Cetesb relacionado à topografia, os documentos serão encaminhados para o cartório de registro de imóveis e os empresários estarão com as matrículas.