Daniela Devides é advogada, pós-graduada em direito civil, coach educacional e diretora do Colégio Degrau Ambiental, de Araçatuba

Daniela Devides: Felicidade autêntica

Como viver uma vida de felicidade verdadeira? Podemos ser realmente felizes? Por que se preocupar em ser feliz? Ao ler esse texto, permita-me solicitar para não considerá-lo algo simplesmente motivacional, pois o embasamento vem através da psicologia positiva, que vai muito além do simples dizer como se dar bem na vida ou como ser feliz. 
 
Relativamente nova, divulgada pelas mãos do admirável professor PHD Martin E. P. Seligman, propõe uma significativa mudança no foco da psicologia tradicional, ou seja, enquanto esta promove o estudo de algumas das piores coisas da vida, a psicologia positiva tem como objetivo estudar o que faz a vida valer a pena.
 
Na busca pelo crescimento pessoal e profissional, por diversas vezes nos deparamos com situações onde nos são apresentados vários modelos para se viver de forma verdadeiramente feliz, mas, antes de sair comprando todos os cursos oferecidos, devemos fazer uma autoanálise e buscar aquilo que realmente nos faz sentir bem. O modo como você se sente em relação à sua vida é uma questão incerta e se faz necessária uma avaliação precisa de sua trajetória para uma tomada de decisão para o futuro.
 
Hoje, posso afirmar que você pode se tornar permanentemente mais feliz e que a felicidade autêntica realmente existe. Mas peço que não considere isso uma simples mudança de pensamento, ou seja: é só eu pensar positivo! A felicidade autêntica é aquela realmente sentida e vivida, envolve muito mais que uma simples mudança de atitude é um autoconhecimento completo no qual aprendemos que não temos de viver para ser feliz, mas sim temos que viver sendo feliz, e isso é completamente possível!
 
A felicidade é uma questão de decisão! Cabe a você escolher que tipo de vida gostaria de ter e aqui eu passo quatro exemplos: a vida agradável, a vida boa, a vida significativa e a vida plena. Se quer ter uma vida agradável, a mesma está integrada à busca bem-sucedida de sentimentos positivos, complementada pela habilidade de amplificar essas emoções. 
 
A vida boa, ao contrário, não consiste em maximizar emoções positivas, mas está integrada à utilização bem-sucedida das forças pessoais, para alcançar gratificação genuína e abundante. A vida significativa tem um recurso adicional: o emprego das forças pessoais a serviços de alguma coisa maior que nós mesmos. E por fim, a vida plena é conquistada quando você consegue viver essas três vidas juntas.
 
Pense em tudo o que quer para sua vida e escolha aquilo que você quer realmente viver. A grande lição que se tira é que a felicidade vem por muitos caminhos e observando por este ângulo, concluímos que, para se viver uma felicidade autêntica, torna-se indispensável desdobrar nossas virtudes e forças pessoais pelos principais setores da vida: amor, trabalho, criação de filhos e busca de um propósito.
Simples assim!
LINK CURTO: http://folha.fr/1.378797