Silvana Nunes Leonel Hostalácio é cardiologista e ecocardiografista e atua na especialidade há 13 anos

Como evitar as doenças cardiovasculares

Saída está no combate ao sedentarismo e na manutenção de hábitos alimentares saudáveis

Manter hábitos alimentares saudáveis, praticar atividades físicas com mais frequência e evitar consumo excessivo de bebidas alcoólicas, cuidados que fazem a diferença na prevenção de doenças cardiovasculares. De acordo com pesquisa desenvolvida pela SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia), 82% das internações de urgência feitas em hospitais do Brasil (81,88%) ocorrem em decorrência de doenças cardiovasculares. 
 
Em entrevista à Folha da Região, a cardiologista e ecocardiografista, Silvana Nunes Leonel Hostalácio, explica como evitar essas complicações. Atuando na especialidade há 13 anos, Silvana é formada na Universidade de Ribeirão Preto, com especialização pela Santa Casa de Misericórdia daquela mesma cidade. 
 
Por que há tanta incidência de casos de doenças cardiovasculares?
As doenças cardiovasculares são responsáveis por 29,4% de todas as mortes registradas no País em um ano. Isso significa que mais de 308 mil pessoas faleceram principalmente de infarto e acidente vascular cerebral (AVC). De acordo com especialistas, 80% das ocorrências poderiam ser evitadas com medidas simples de hábitos saudáveis, como evitar a ingestão de bebidas alcoólicas, cigarros e sedentarismo. A prática de atividades físicas e uma dieta balanceada com baixas concentrações de sódio e açúcares ajuda a evitar doenças. 
 
Quais são as complicações mais comuns?
As doenças cardiovasculares são aquelas que afetam o coração e as artérias, como infarto e acidente vascular cerebral, e também arritmias cardíacas, isquemias ou anginas. A principal característica das doenças cardiovasculares é a presença da aterosclerose, acúmulo de placas de gorduras nas artérias ao longo dos anos, que impede a passagem do sangue. Ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais geralmente são eventos agudos causados, principalmente, por um bloqueio que impede que o sangue flua para o coração ou para o cérebro. Os acidentes vasculares cerebrais também podem ser causados por uma hemorragia em vasos sanguíneos do cérebro ou a partir de coágulos de sangue. 
 
Quais são as medidas preventivas contra doenças cardiovasculares?
A causa de ataques cardíacos e AVCs geralmente é uma combinação de fatores de risco, como o uso de tabaco, dietas inadequadas e obesidade, sedentarismo e o uso nocivo do álcool, hipertensão, diabetes e hiperlipidemia (colesterol alto). Então, como prevenção, temos que tentar controlar e evitar todos esses fatores.
 
As temperaturas podem influenciar nesse índice?
O inverno está associado ao aumento dos casos de doenças cardíacas e da mortalidade cardiovascular. Estudos mostram que a cada queda de dez graus de temperatura, há aumento da incidência de complicações cardíacas em torno de 30% a 40%. Alguns motivos contribuem para isso. O primeiro é o aumento das infecções respiratórias que ocorrem na época do inverno. Gripes e resfriados provocam uma sobrecarga no sistema circulatório. O frio leva ainda a um fenômeno chamado vasoconstrição. Os vasos ficam contraídos para impedir a perda do calor. Essa vasoconstrição leva também a uma sobrecarga do coração, que passa a trabalhar com mais força, para atender às necessidades cardíacas. Outro problema observado no inverno é que as pessoas tendem fazer uma alimentação mais pesada, com excedente de álcool. 
 
A alimentação faz parte das medidas preventivas contra as doenças cardiovasculares?
Mudar a dieta é um dos principais objetivos dos médicos. Alimentos industrializados, por exemplo, contêm muito colesterol, responsável por formar placas de gordura no sangue, o que dificulta o fluxo sanguíneo e eleva a pressão arterial. Além de conservantes, sódio, açúcares, etc. A solução? Ingerir mais frutas, legumes e vegetais, além de evitar gorduras e preferir comidas naturais. Vale ressaltar que uma em cada 10 crianças no mundo está acima do peso, segundo a OMS, o que é um fator de risco para doenças cardíacas. 
 
Quais são os fatores de risco que podem acarretar doenças cardiovasculares?
As causas da aterosclerose podem ser de origem genética, mas o principal motivo para o acúmulo é comportamental. Obesidade, sedentarismo, tabagismo, hipertensão, colesterol alto e consumo excessivo de álcool são as principais razões para a ocorrência de entupimentos das artérias. Segundo estudos, o homem fumante tem cinco vezes mais chance de ter um infarto que o não fumante. Os riscos provocados pelo comportamento superam, inclusive, histórico familiar de doença cardiovascular. 
 
Atividades físicas podem ajudar na prevenção dessas doenças?
A falta de atividade física é importante fator de risco para as doenças cardiovasculares. O sedentarismo contribui para o desenvolvimento de hipertensão arterial, obesidade, diabetes, colesterol elevado e outras doenças. O controle rigoroso da pressão arterial, evitar o tabagismo, fazer atividades físicas e controlar a glicose, o peso e o colesterol são a base de uma saúde adequada. Para evitar sustos, a melhor conduta é a prevenção. Consultas regulares ao cardiologista são essenciais para se identificar os fatores de risco. Talvez o paciente ainda esteja na fase pré-clínica do problema e seja possível evitar o pior.
 
Qual é o público mais propício a desenvolver este tipo de doença? 
O sexo masculino apresenta maior probabilidade de sofrer de doença do aparelho circulatório e este risco aumenta em fase mais precoce da sua vida. Já o sexo feminino tem menor incidência na fase pré-menopausa e, geralmente após a menopausa, aumenta de forma progressiva. A idade foi identificada como o fator de risco independente, levando a um aumento da morbilidade e da mortalidade cardiovascular. O risco de sofrer um AVC duplica a cada período de 10 anos após os 55 anos.
LINK CURTO: http://folha.fr/1.375867