Danilo Santos, diretor do Departamento Regional do Sesc

Circuito Sesc de Artes

Evento, em São Paulo, lançou oficialmente a programação do evento que percorrerá 120 cidades

Na última terça-feira (20), o Sesc São Paulo realizou a abertura oficial do Circuito Sesc de Artes, na cidade de São Paulo, na emblemática unidade do Sesc Pompeia, projetado por Lina Bo Bardi. Contemplando 120 cidades, o evento levará de maneira itinerante, artistas por todos os cantos do Estado, promovendo a cultura de forma plural e disseminada.

O Circuito Sesc de Artes apresenta espetáculos de circo, dança, música e teatro, exibição de filmes, e oficinas de literatura, artes visuais e tecnologias e artes. As atividades são gratuitas e livres para todos os públicos. Nessa iniciativa, o Sesc SP tem a parceria das prefeituras e sindicatos de comércio locais. As principais cidades da região que receberão as atividades são Andradina, Araçatuba, Birigui, Ilha Solteira, Lins e Penápolis.

No lançamento, a unidade paulistana recebeu diversas caravanas dos mais variados pontos do Estado. A unidade biriguiense levou, entre jornalistas e organizadores culturais, representantes do segmento na área política e secretários de cultura da região. Sob a responsabilidade do polo de Birigui, serão atendidas 54 cidades com as atividades culturais.

Segundo o coordenador de programação do Sesc Birigui, Alex Dias, as escolhas das atrações que virão para a região foram feitas através de reunião com todos os polos para definir aquilo que mais se adequava ao público de cada local. "Nosso roteiro, vamos dividir com três outras unidades. No nosso caso, a unidade de Birigui está junto com a unidade Santo André e com a de Taubaté, então nós olhamos para as nossas regiões e fizemos uma escolha de todas as linguagens que mais se adaptam ao nosso público", explica Dias.

EMPENHO
Dias analisa que, com o Circuito, "continuamos fazendo esse trabalho, que é importante e é um trabalho de formiguinha. Levar arte, cultura, lazer, diversão para as cidades que geralmente que têm pouco acesso de espetáculos de qualidade, como música, teatro, circo, dança, mas também artes visuais, manuais" e finaliza que esse "é o momento de a gente conseguir enriquecer o nosso interior".

Para ele, além das cidades serem receptoras, elas também "funcionam como catalisadoras. Quando a gente leva para uma cidade, na verdade a gente pensa na proximidade dessa cidade em convidar as vizinhas, maiores ou menores, que transitem de uma a outra. O Circuito possibilita essa transição entre populações de pessoas do Estado".

REGIÃO
A secretária de Cultura e Turismo de Araçatuba, Tieza Lemos Marques de Oliveira, salientou que o Sesc tem se notabilizado cada vez mais em relação à difusão da cultura. "Eu tenho certeza que é um parceiro de todos os municípios, mesmo que ele esteja sediado em alguns, é sempre possível atingir, através desses, todos os municípios. Sobretudo porque as atividades deles são primorosas".

Tieza ainda destaca que "tanto no teatro, na música ou artes cênicas, acho interessante como eles investem em todas as linguagens. Eu falo, quando não diretamente, através da gente. É uma entidade que realmente procura investir e oferecer em grande estilo o que arrecada".

Já o representante da pasta de Cultura em Andradina, Fabrício Carvalho, destaca a entidade como grande parceira na realização das atividades culturais, já que seu município é carente de recursos nesse segmento.

"Temos feito um contato frequente com o Sesc, para que eventos dessa magnitude cheguem até Andradina. Ano passado, eles levaram um evento que movimentou todo o bairro onde foi realizado. Fiz questão de estar presente no lançamento do Circuito, porque esses eventos somam, e muito, para nós", enfatiza Carvalho, que vem tentando, por meio dessas parcerias, dinamizar e impulsionar a cultura andradinense.

CONTRIBUIÇÃO
A "casa" da unidade regional, Birigui, é uma entusiasta do movimento realizado pelo Sesc, não só na cultura, como no esporte. "O Sesc Birigui é uma ferramenta mais que fundamental para a cidade. Tem mecanismos que o Sesc tem, que a gestão pública não consegue desenvolver", explica o secretário de Cultura e Turismo, Elder Scanferli.

Para ele, abrigar a sede da entidade "contribui para a formação cultural e esportiva da população. O público que o Sesc atende, eu talvez não atenda, é uma troca saudável".

SESC
O Sesc São Paulo é uma entidade mantida e administrada pelo empresariado dos setores do comércio de bens, serviços e turismo. A instituição, que completou 70 anos em 2016, trabalha com vistas à promoção do bem-estar social, ao desenvolvimento cultural e à melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores desses setores e da comunidade em geral. 

Para isso, desenvolve ações de educação não formal e permanente que valorizam as pessoas ao estimular autonomia pessoal, interação e contato com expressões e modos diversos de pensar, agir e sentir. (O repórter viajou a convite do Sesc/Birigui)

LINK CURTO: http://folha.fr/1.395703