Vereador é acusado pelo Ministério Público de ter recebido propina no valor de R$ 32 mil

Cido Saraiva garante que nunca fez parte de esquema

Parlamentar é acusado de fraudar licitação na Câmara

O vereador Cido Saraiva (PMDB) negou que tenha feito parte de esquema para fraudar licitação para compra de armários deslizantes para a Câmara de Araçatuba em 2012, ano em que presidia o Legislativo local. Ele e três funcionários da Casa foram denunciados pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) do Ministério Público de Araçatuba.

Segundo a denúncia, o parlamentar teria recebido R$ 32 mil de propina da empresa vencedora do certame, dinheiro que teria sido utilizado para financiar a campanha que resultou na reeleição dele para a legislatura seguinte. A denúncia tramita na 1ª Vara Criminal, onde consta que no dia 30 ela foi distribuída livremente por sorteio. Se aceita, ele será réu em processo por corrupção passiva e fraude em licitação.

NOTA
Em nota divulgada no final da tarde de segunda-feira (4), Cido Saraiva informou que não tinha sido notificado pela Justiça e não poderia se manifestar sobre as informações relatadas na denúncia antes de ter acesso ao conteúdo.

O parlamentar afirmou que respeita o MP, entende o trabalho de manutenção da ordem jurídica no Estado e a fiscalização do poder público, e fez questão de ressaltar que está à disposição da Justiça para esclarecer quaisquer situações relativas à denúncia. “Como maior interessado em elucidar os fatos, o vereador garante que nunca fez parte de nenhum esquema para fraudar qualquer licitação nas duas vezes em que foi presidente do Legislativo araçatubense”, informa nota divulgada pela assessoria de Cido Saraiva.

MELHORIAS
Por fim, reforçou que enquanto esteve à frente da Câmara de Araçatuba, nos biênios 2011-2012 e 2015-2016, o vereador promoveu melhorias no Legislativo municipal, economizou, devolveu dinheiro à Prefeitura e teve as contas de 2011 e 2012 integralmente aprovadas pelo TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo).

A denúncia contra Cido Saraiva e os três funcionários da Câmara é consequência de investigação do Gaeco de Piracicaba, que descobriu um esquema voltado à prática de crimes de fraude em licitação, corrupção ativa e lavagem de dinheiro. O vereador de Catanduva, Daniel Palmeira de Lima (PR), acusado de chefiar o grupo, foi detido em setembro.

E-MAIL
A investigação encontrou e-mail enviado por Daniel à Câmara de Araçatuba, com modelo de edital para a licitação que foi autorizada por Cido Saraiva e vencida pela empresa Arq-Vando Arquivos Corporativos Ltda, em nome de um sobrinho do parlamentar de Catanduva, no valor de R$ 113,5 mil pagos à vista.

Outro e-mail obtido pelo Gaeco aponta repasse de R$ 32 mil a título de “contribuições para campanhas eleitorais” para a Câmara de Araçatuba. A Promotoria de Defesa do Patrimônio Público de Araçatuba recebeu cópia da denúncia nesta segunda-feira e pode instaurar inquérito para investigar o caso.

LINK CURTO: http://folha.fr/1.377277