Chinelo (dir.) é recebido pelo presidente da Câmara de Araçatuba, Rivael Papinha, e correligionários

Chinelo vai continuar no comando do PSB na região de Araçatuba

Convenção municipal foi realizada na Câmara; VEJA FOTOS

O PSB (Partido Socialista Brasileiro) realizou neste sábado (12), na Câmara de Araçatuba, convenção municipal que manteve o sindicalista José Avelino Pereira, o Chinelo, na liderança regional. A sigla realizou congressos simultaneamente em diferentes municípios brasileiros para eleger presidentes dos diretórios locais e discutir o posicionamento do PSB em relação a assuntos vigentes no cenário político nacional. 

Em Araçatuba, a votação teve chapa única devido a discussões internas entre as lideranças regionais para que Chinelo assumisse um novo mandato, que durará mais três anos. Ele esclareceu que a primeira ação após sua manutenção no cargo de presidente do PSB em Araçatuba é reiterar o apoio ao prefeito Dilador Borges (PSB). “Tivemos um papel fundamental no processo eleitoral e estamos reafirmando na convenção o compromisso de apoio ao prefeito”, disse. 

POSICIONAMENTOS
Pereira esclarece que após as convenções municipais haverão reuniões do PSB em âmbito estadual e, na sequência, um congresso nacional. “É uma oportunidade de renovar o partido.” 

O sindicalista acredita que a legenda deverá trabalhar muito para participar de mudanças que precisam ser executadas no País. “Nós vivemos um momento muito difícil, nacionalmente. Pensamos que o Congresso não nos representa e não tem legitimidade para fazer as reformas tão importantes de que o Brasil precisa: uma reforma tributária de verdade, uma reforma fiscal de verdade.” 

Em relação à reforma trabalhista, Chinelo defende que a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) serviu ao governo Getúlio Vargas (que a sancionou em 1943), mas que não serve para um governo que fosse oriundo dos trabalhadores. “É preciso realmente fazer mudanças na CLT, mas não podem ser nos moldes que estão colocando. Os sindicatos estão preocupados com o fim do imposto sindical. Nunca o defendemos, porque somos a favor do sindicato de base; só vai sobreviver o sindicato que realmente tiver representatividade.” 

DEMOCRATIZAR
O sindicalista considera ainda que a reforma da Previdência, como tem sido proposta, é muito dura para os trabalhadores, e que uma reforma política que não sirva para democratizar o processo não interessa ao PSB. “Em um momento de tanta dificuldade para a saúde e para educação, criar um fundo partidário de aproximadamente R$ 4 bilhões é inadequado”, critica. Ele defende que o PSB terá um papel fundamental no que chama de “processo de redemocratização do País”. 

Conforme representantes do partido, a convenção em Araçatuba movimentou aproximadamente 200 pessoas. Bandeiras da legenda foram posicionadas em pontos das ruas Oswaldo Cruz, Duque de Caxias e na praça Rui Barbosa.