Padre Charles Borg é vigário-geral da Diocese de Araçatuba

Charles Borg: Filtros

Conhecer-se de verdade, grande desafio! O ser humano é um mistério para si mesmo! Paulatinamente, vai desvendando sua identidade, dependendo, obviamente, do grau de sinceridade que adota. Esse elementar raciocínio impõe correlata verdade: se nem se conhece perfeitamente, condições não reúne para emitir juízos sobre o semelhante. Comentários apressados, não raramente condicionados por preconceitos, envenenam ambientes, criam conflitos, gerando clima de tensão e de desconfiança. 

As ambiguidades surgem em consequência das lentes que se usa para fazer leituras de situações e análise de pessoas. Uma premissa indigesta, mas indispensável, impõe reconhecer que raramente as lentes são impecavelmente limpas. Ora, filtros defeituosos e lentes embaçadas distorcem realidades, exigindo, além de uma vigilância redobrada, constante polimento. Ignorando a elementar exigência de manter as lentes limpas e ajustadas ao grau correto, o julgamento que se faz do outro reflete, não raramente, os próprios desajustes e denuncia as próprias carências. 

O cristão possui um recurso formidável para operar periódicas revisões em suas lentes, habilitando-o a conhecer-se progressivamente e adestrando-o a enxergar além das aparências. Jesus, o Mestre bom, declarou solenemente que considera o tratamento oferecido ao semelhante como direcionado a si. Foi além — identificou-se com o irmão mais desqualificado, sutil recurso para incondicional inclusão. 

Ao estabelecer essa referência, Jesus instrui seus seguidores a olhar além das exterioridades e enxergar o imutável em cada ser humano. Independente de situações e atitudes, todo ser humano carrega o selo divino — façamos o Homem à nossa imagem e semelhança! Ao insistir a usar este filtro quando lida com o semelhante, Jesus, de uma maneira excepcionalmente pedagógica, induz o ouvinte a reconhecer ser ele próprio igualmente portador da impressão divina! Motiva-o, consequentemente, a substituir as lentes humanas, habitualmente desfocadas e/ou embaçadas, por lentes divinas. 

Enxergar realidades e pessoas, inclusive a si, com os olhos de Deus! Sublime postura, de imprevisíveis consequências positivas. Gradualmente purificado de preconceitos e condicionamentos, o sujeito melhora o tratamento dado ao outro, sublima sensivelmente os relacionamentos. Agressividade e desconfiança naturalmente recuam. Emergem espontaneamente respeito e consideração! Revolucionaria transformação a proporcionar reais e amplas condições para um convívio social genuinamente harmonioso. Fraterno e digno. 

Ao reconhecer-se marcado pelo divino selo, o crente realça a própria dignidade e por ela se pauta ao relacionar-se com o semelhante. Ajustadas as lentes e purificado o filtro, habilita-se a enxergar além das aparências. Habitua-se a relacionar-se sempre com cuidado e reverência! Sublime postura, indispensável pressuposto para um feliz e harmonioso convívio!

LINK CURTO: http://folha.fr/1.388941