Cerol e responsabilidade

É preciso punições mais efetivas, pois todos os anos aumentam os acidentes

A chegada do período de férias escolares traz à tona um assunto muito discutido, muito divulgado e que, todos os anos, faz inúmeras vítimas no trânsito: o uso do cerol, ou linha chilena, por crianças e adultos que soltam pipas. Embora os riscos sejam conhecidos, a irresponsabilidade de comerciantes, pais e adultos que têm por hábito esta prática custa caro ao Estado e pode, inclusive, ceifar vidas.

Operação realizada nesta semana pela Guarda Municipal de Araçatuba apreendeu 57 carretilhas de linha com cerol. O número é aparentemente baixo, mas evita a possível ocorrência de acidentes envolvendo, principalmente, motociclistas. A multa, de apenas R$ 300, talvez não sirva para coibir a venda por estabelecimentos que devem ter um lucro ainda maior vendendo linhas com cerol, pois a prática é bastante comum.

O brasileiro, infelizmente, tem o hábito de achar que o crime compensa. Assim, mesmo multados, esses comerciantes poderão voltar a vender, pois até que nova fiscalização ocorra, eles continuarão obtendo vantagens, ainda que corram o risco de ter cassada a licença para o comércio. Leis mais severas devem ser adotadas, principalmente pensando que a atitude de quem comete tal crime pode ser enquadrada no chamado dolo eventual, quando se assume os riscos de determinado ato.

Qual a diferença entre uma pessoa que solta pipa com linha cortante e alguém que se aventura tirando racha em uma avenida, por exemplo? Os resultados são os mesmos. Em cada um dos exemplos, assume-se o risco de que o ato ilegal pode se transformar em homicídio ou tentativa.

Aos pais, que tenham a responsabilidade de guiar seus filhos e observar o que fazem, ainda que na sua ausência; aos comerciantes que preferem burlar a lei, que tenham a consciência de que poderão ser responsabilizados pelos acidentes causados pelo material que venderam. 

Proibir que se soltem pipas em área urbana - onde se corre o risco também de choques em fios de alta tensão - seria uma alternativa e daria à polícia o poder de apreender não somente as linhas cortantes. Já que nem o risco de morte assusta, é preciso punições mais efetivas, pois todos os anos, com a chegada do período escolar, aumentam, e muito, os acidentes causados por este ato, aparentemente, inofensivo. 

Aos que virem pessoas soltando pipa em área urbana, denunciem, pois, muitas vezes, essas pipas estão equipadas com linha de cerol, oferecendo risco de vida, principalmente, aos motoqueiros. Uma diversão não pode causar fatalidades, ela deve ser inofensiva.

LINK CURTO: http://folha.fr/1.381176