Rosvel de Menezes, presidente fundador da escola de samba Virada do Sol, a mais antiga de Araçatuba

Carnavalesco diz que escola de samba não pode ser feita sem apoio público

Ele e sua comunidade apresentarão bloco

Um apaixonado por carnaval. Essa é a melhor definição sobre Rosvel de Menezes, presidente fundador da escola de samba Virada do Sol, a mais antiga de Araçatuba. Com quase 45 anos de trajetória foliã, neste ano, ele prepara um percurso diferente.

Em vez do desfile em sambódromo, ele e sua comunidade apresentarão o bloco “Chupa, mas não baba”, que deverá se apresentar com 80 pessoas no sábado de carnaval. Há uma dose de empolgação? Sim. Mas também de frustração. Afinal, pelo terceiro ano seguido, a cidade não terá seu tradicional desfile de escolas de samba. 

Isso, aliás, o antigo folião não tem escondido de ninguém. Nas redes sociais, são frequentes seus desabafos por causa da ausência do desfile. Nesta entrevista à Folha, o líder carnaval dispara contra agentes políticos e diz que as escolas de samba precisa, sim, de apoio público.

Apesar de o reinado de momo em Araçatuba neste ano não ser como Rosvel gostaria, ele acredita que o trabalho da atual secretaria de Cultura, Tieza Lemos Marques, será diferente e confessa: “No dia que eu soube que ela comandaria a cultura, respirei aliviado”. Ao conversar com a reportagem na última sexta-feira, ele ainda se emocionou ao falar de histórias do carnaval.