As redes sociais e a disciplina no uso delas

Sob um olhar otimista, o avanço das mídias sociais foi importante no sentido de representar um instrumento, praticamente sem filtros, para o exercício da liberdade de expressão. Não é à toa que, nos últimos anos, pelo menos no Brasil, tornaram-se terreno fértil para disputas entre grupos políticos que se intitulam de esquerda ou de direita. Por outro lado, a falta de barreiras, ainda que para a livre manifestação do pensamento, produz os seus efeitos nocivos. É quando postagens são publicadas com conteúdos inverídicos e, na pior das situações, ofendem e atingem a honra de pessoas. 

Nesse sentido, decisão da Justiça de Andradina que obrigou um professor de Murutinga do Sul a retirar de sua página, no Facebook, publicações de cunho ofensivo contra o prefeito daquela cidade, Gilson Pimentel (PSDB), deveria ter efeito pedagógico para aqueles que consideram a rede social um espaço livre para publicar o que quiser, sem o mínimo de critério adotado.

De acordo com a sentença, se as postagens não forem apagadas, o docente terá de pagar multa diária de R$ 1 mil por publicação. Nas mensagens, havia acusações de pedofilia e de envolvimento na chamada “Máfia do Asfalto” contra o chefe do Executivo, o que foi negado por sua defesa.

Como o professor de Murutinga, não são poucos os adeptos das redes sociais que ignoram os limites, a necessidade de se ter certeza de uma informação antes de divulgá-la e, acima de tudo, o respeito ao próximo.

É por isso que, apesar do avanço, sites, blogs e redes sociais são os meios de comunicação que mais despertam desconfiança da população, com índices de rejeição superiores a 50%, conforme a última Pesquisa Brasileira de Mídia, encomendada pela Secretaria de Comunicação da Presidência ao Ibope. A liderança na confiabilidade ficou para os jornais impressos.

As redes sociais aceleraram ainda mais o impacto de informações divulgadas na internet, principalmente pela quantidade ilimitada de curtidas, compartilhamentos e comentários que uma publicação pode ter. Ou seja, um conteúdo difamatório pode atingir, em questão de minutos, a imagem de alguém. A interferência do Judiciário é importante por mostrar que crimes virtuais existem e não estão sujeitos a ficar impunes.

Faz quase três anos da sanção do Marco Civil da Internet do Brasil, mas, como tantas outras leis existentes neste País, ainda carece de maior divulgação. O que isso significa? Já há princípios, garantias, direitos e deveres estabelecidos para quem usa a grande rede, porém parcela dos internautas não os conhece ou finge desconhecê-los.

LINK CURTO: http://tinyurl.com/l2ngxxy