Parlamentar eleito pelo PSDB (à dir.) classificou atitude do veterano como 'um total desrespeito'

Arlindo ignora Almir e recusa aperto de mão: 'Sai de perto'

O clima entre o vereador eleito Almir Fernandes Lima (PSDB) e o parlamentar mais antigo da Câmara, Arlindo Araújo (PPS), foi de tensão na sessão da última segunda-feira (5). Após ser convidado pelo presidente da Casa, Cido Saraiva (PMDB), a ocupar lugar no plenário, Almir foi cumprimentar seus futuros colegas de Legislativo.

O tucano conta que, no momento em que estendeu a mão a Arlindo, para cumprimentá-lo, foi ignorado. "Sai de perto de mim", disse Arlindo, segundo Almir. O parlamentar eleito pelo PSDB classificou a atitude como "um total desrespeito" com um convidado pela Casa. "A Câmara não é dele. É do povo", afirmou Almir.

SEM HIPOCRISIA
Arlindo confirmou a história à coluna Periscópio. O parlamentar afirmou que não seria hipócrita em cumprimentar Almir, pois, em seu entendimento, o tucano fez críticas generalizadas aos vereadores da atual legislatura, dizendo que "os que estão aí" venderam o Daea (Departamento de Água e Esgoto de Araçatuba) e quiseram trazer um aterro sanitário para a cidade. Arlindo, por sua vez, diz que nunca foi a favor de nenhuma dessas propostas.

INCOERÊNCIA
"Dizia (Almir) que, na Câmara, era tudo uma cambada. Ninguém prestava. Agora vem ao plenário e abraça a todos e os chama de colegas. Ridículo. Criticou o Cláudio (Henrique da Silva - PMN) por dizer que os vereadores tinham bom relacionamento. Chamou de circo. E disse: 'Me aguardem, senhores vereadores'. Quem precisa desconstruir a imagem dos outros para se projetar é porque não tem como aparecer pelas próprias virtudes", declarou Arlindo, na terça-feira (6), ao falar com a coluna.

ILAÇÕES
Almir classificou como "ilações" as declarações de Arlindo. "Quanto a tudo o que disse sobre os vereadores desta legislatura, sempre o fiz de forma genérica, Vez ou outra, 'pegava' um ou alguns em contradições e as explorava publicamente. Por serem genéricas, cada qual era livre para experimentar a carapuça, certamente, em alguns servia como luva", disse Almir.

Por fim, ele disse que, em seu currículo, já fez oito manifestações contra a corrupção na cidade, reunindo cerca de 50 mil pessoas. E perguntou, referindo-se ao protesto do último domingo: "Onde estava (Arlindo) no domingo, pois não o vi na manifestação?"

POR IRONIA
O acirrado embate entre Almir e Arlindo, antes mesmo do início da próxima legislatura, chama atenção para um detalhe. Ambos foram eleitos na mesma coligação para a disputa por cadeiras na Câmara, na eleição de outubro deste ano. (Ronaldo Ruiz Galdino)