A apresentação foi realizada dentro do contêiner que possui um espaço de 12 metros permitindo a circulação dos alunos

Alunos tem contato com a vida marinha

O objetivo do projeto é ajudar na conscientização ambiental de uma maneira dinâmica

A Escola SEB Thathi recebeu o Projeto Vida Marinha entre os dias 10 e 13 de abril, que levou aos estudantes informações sobre o ecossistema marinho. Foram mais de 100 animais - alguns deles puderam até ser tocados pelos alunos - todos verdadeiros e empalhados, vítimas da degradação ambiental, mortos em redes de pescadores, vítimas de derramamento de petróleo, lixo, esgoto ou, até mesmo, encontrados sem vida na beira da praia, ou seja, nenhum animal foi morto para compor o acervo.
 
A apresentação foi realizada dentro do contêiner que possui um espaço de 12 metros permitindo a circulação dos alunos, além disso, o lugar dispõe, também, de bancos e uma bancada expositora de animais marinhos. Esse tour pelo contêiner foi comandado por biólogos e englobou alunos desde a Educação Infantil ao Ensino Médio. Cada visita, com duração de 30 minutos, foi acompanhada por um desses especialistas. O projeto possui um programa pedagógico específico para cada faixa etária e atende 35 alunos por turma.
 
A Educação Infantil, por exemplo, conheceu as diferentes texturas de um animal com escamas, penas, couro e pelo; onde o animal vive, do que se alimenta, como foi morto etc. Para o Ensino Fundamental e Ensino Médio serão mostrados os fundamentos sobre classificação zoológica e noções de educação ambiental.
 
Segundo o diretor da unidade local do SEB Thathi, André Cefali, a instituição procura constantemente atividades que possam enriquecer o currículo escolar dos alunos. "Ficamos o tempo todo pesquisando oportunidades de enriquecer os projetos com os alunos. Baseado nisso, fizemos um contato com o Instituto Mata Atlântica que tem esse projeto e conseguimos essa atividade por uma semana", destaca.
 
Para Cefali, "é uma oportunidade única de poder ver exposto um grande número de espécies marinhas, que os alunos estudam e acompanham nas aulas" e que questões como a consciência da preservação do meio ambiente também é enfatizada.
 
O objetivo do projeto é ajudar na conscientização ambiental de uma maneira dinâmica, colocando o estudante em contato com animais que muitas vezes são vistos somente em livros, revistas e televisão.
 
De acordo com a coordenadora de eventos da escola SEB Thathi, Marjorie Tanaka Angeli, o projeto vem ao encontro de um dos pilares da escola: o compromisso com a sustentabilidade. “Através dessa experiência de contato com os animais marinhos, uma vez que estamos a mais de 600 quilômetros do mar, é estimulada a consciência ambiental nos alunos, que conhecerão os fatores de risco para o ecossistema. E trabalhando essa consciência nas crianças e jovens, faremos com que as próximas gerações continuem com a preocupação com o meio ambiente”.
 
SOCIAL
Além dos alunos da Escola SEB Thathi, poderão apreciar a exposição os familiares e também a escola municipal Cláudio Evangelista Teixeira, que foi adota através de um convênio assinado entre a Escola SEB Thathi e a Prefeitura Municipal de Araçatuba, em março deste ano.
 
Cefali explica que essa iniciativa nasceu no início deste ano, como parte do Instituto SEB, que visa ações sociais dentro das unidades. "Adotamos uma escola pública do município em março, junto com autoridades da Thathilandia e da Prefeitura. "Os termos não geram custos, apenas uma cooperação. Estamos planejando várias atividades com esses alunos da rede pública", destaca o diretor, que lembra que na Páscoa, os alunos da escola municipal passaram um dia de vivência dentro da unidade do SEB Araçatuba.
 
"A ideia é aproximar os nossos alunos daquela realidade e fazer um pouco mais, doar um pouco do seu tempo e colaborar com aquela escola", finaliza Cefali.
 
 
PROJETO JÁ ATENDEU MAIS DE DOIS MILHÕES DE VISITANTES
 
Desenvolvido pela Bióloga Cristina Portela com proposta de divulgação de Educação Ambiental, desde a sua inauguração, em 2000, a carreta já atendeu mais de dois milhões de visitantes, alunos e o público em geral. O projeto apresenta um dos maiores acervos de animais marinhos do sul do Brasil, que vão desde animais empalhados, esqueletos e conservados no álcool.
 
O projeto é desenvolvido em tempo determinado e facilmente adaptável ao planejamento do professor. Através de uma didática científica e atual, de acordo com a moderna técnica de exposição-pesquisa-ensino, o Museu e Aquário Marinho possui um programa específico para Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino médio e Graduação na área de Biologia da seguinte forma:
 
Para os alunos da educação infantil são mostrado diferentes texturas de um animal com escamas, penas, couro e pelo, onde o animal vive do que se alimenta, como foi morto, dar noções sobre educação ambiental como, por exemplo, não devemos jogar lixo na praia, porque muitos animais, como a tartaruga marinha, morrem ao comer plástico por engano achando que é água viva, seu principal alimento.
 
Já o ensino fundamental aprende sobre classificação zoológica e noções sobre educação ambiental, como pesca predatória, invasão de áreas de mangueiras, derramamento de petróleo.
 
Para o ensino médio e gradação de biologia é apresentado à classificação zoológica e noções sobre impactos ambientais, devido a derramamento de petróleo pesca predatória, invasão da área de manguezais.
LINK CURTO: http://folha.fr/1.399708

Curta nossa fanpage e receba notícias pelo Facebook