Folha da Região - Cinqüentonas

Cinqüentonas

Jorge Napoleão Xavier +++ --- Encaminhar Erro Imprimir


Sexta-Feira - 07/12/2007 - 03h01



Google+


               
Jorge Napoleão Xavier é advogado, professor de Direito no Unitoledo e membro do IBCCrim. Jornalista, escreve neste espaço às sextas-feiras, como colaborador da Folha da Região.


São os homens e não as casas que fazem a cidade (Thomas Fuller)

Com a verve de sempre, Cidinha Baracat abordou nesta Folha a turma do cinqüentenário (1957): normalistas do Instituto de Educação Manoel Bento da Cruz. Falta de espaço, não lhe foi possível identificar todos os formandos. Arquivo utiliza dados fornecidos por ela: Flávio Antônio De Senna Tavares, o Flavinho (falecido); João Gilberto de Oliveira, o Jujuba (falecido); Kléber Gomes; Laerte Silva; Sebastião Zorzetto; Waldemar Zorzetto (falecido); Yassushi Yano; Atsuko Fukunishi; Áurea Kamakura; Dalva Augusto da Silva; Fanny Fumiko Honda; Guiomar Yukiko Okasaki; Ieda Martins; Isaura Kamakura; Josefina Pedrucci de Andrade; Josephina Ruiz Garcia (falecida); Leni Zaghi; Maria Freitas Santos; Marly Borges Dellamagna; Mitsuko Fukumura; Satiko Oga; Sedulge Tagliari; Shizuka Mori Sonoda (falecida); Yolanda Tokunaga; Ana Terezinha Noce; Armelinda Terezinha Noce; Cláudia Cecília de Arruda Campos Cypriano; Elvira Oliveira Lopes; Eny Martins; Enoe Maciel Rufino, Fussayo Hamamoto; Hatsuko Mori; Harue Okida; Lúcia Tereza Scatena; Luzia Mazza Vieira; Maria Aparecida de Godoy; Maria Aparecida Ferrari; Maria Cecília Zanardi Raab; Maria do Carmo Ayres; Marly Monteiro Máximo (falecida); Marisa Monteiro Máximo; Myrtes Marilê Alves Pereira; Nagako Tanaka; Olga Itinose (falecida); Onélia Rosa Benez; Sônia Bombonatti de Castro; Ruth Azevedo Marques; Zilda Mian; Zuleika José de Carvalho; Dilma Troncoso Malhado Rosa (falecida). Pessoas que fizeram e fazem a cidade. Costureiras da época: Genny Rico, Nena Mello e Antonieta Tessuti Navega (há pouco falecida, 92 anos). Genny não se casou, ficou de tia ajudando na criação dos sobrinhos. O marido de Nena, Clementino P. Mello, era o dono da Casa Dois Martelos, ferragens e ferramentas. O marido de Antonieta, Arsênio Navega, trabalhava na Casa Magalhães, nas horas de folga fazia gaiolas de passarinhos e pescava, sempre com o cigarro balançando nos cantos dos lábios.

Kamel Heraki, educado filho de árabes, justo e perfeito, trouxe Nelson Pires, recém-chegado de Bilac, para assessorá-lo no gerenciamento da Casa Brasileira, na Marechal. Pires enveredou pelo ramo imobiliário, pela lavoura e pecuária, ao mesmo tempo em que abraçava a causa do casal Venturolli: fidelíssimo adepto de Germínia e Sílvio. Não há muito, disse adeus, deixou à Zoraide e aos filhos um nome de respeito, um homem de bem.

Emília Pacheco, dona Milota, grande proprietária de imóveis no centro: o filho Jairo casou com Diva Della Barba, foram embora para Campo Grande, MS. Antes, embarcara em um navio sueco, velejando "long time" por mares nunca dantes navegados. A irmã Alice mudou-se para os Estados Unidos: nunca mais voltou. Benedito, o filho mais velho, empregou-se no Expresso Araçatuba e lá ficou a vida inteira. Hermano Henning já era nascido naqueles tempos, vivendo no eixo Valparaíso-Guararapes-Araçatuba: seu ídolo era o tio Herculano, irmão de sua mãe, dona Hortênsia, e pai do Érico Pereira, fundador das melhores casas noturnas de São Paulo (Ta-Matete, Passpatour, Charade I e II e outras), que tinha peito para contratar Fred Bongusto, Jonnhy Mattis e Domenico Modugno.

No comecinho da Marechal, na Cical, uma espécie de supermercado, todo final de tarde juntavam-se - para comer a copa Janser e bebericar a Potiguara do Yamashita - o Wilson “Turco” Marinho, o Pedro Walter, da Rádio Difusora, o Edison Cabaritti, o Bolinha, o Nelson Carneloço, os irmãos Nazan e Vitório Rezek, da Casa Yara, o Carlão Ribeiro, do Banco do Brasil, servidos pelo Walter Comedini, gerente da Cical: ali se fazia o balanço do dia.

Por exemplo, falava-se do apelido carinhoso do professor de Matemática do IE, Elzeário de Paula e Silva, o “Zico Ferramenta”; da prisão de um bicheiro na rua Oswaldo Cruz; do balé do Carlinhos Soler se apresentando na boate Marrocos, da dona Lídia, na Silva Grota.

Novidade: o namorado de dona Lídia, Walton Avancini, viajante de remédios, estava envolvido no Crime do Sacopã, no Rio de Janeiro, porque teria testemunhado o fuzilamento do bancário Afrânio Lemos pelas mãos do tenente Alberto Jorge Bandeira, da Aeronáutica. Avancini era a bomba que o advogado do diabo, Leopoldo Heitor de Andrade, prometia apresentar à Justiça. Pelo menos, isso constava das reportagens da revista "O Cruzeiro", assinadas pelo famoso jornalista Arlindo Silva, com material que veio buscar pessoalmente em Araçatuba, ouvindo o delegado Ernani Ferreira, os escrivães Diógenes Bispo dos Santos, Waldomiro Venâncio e Laudelino Nunes e populares.

Filho de Carlos Geraldi, um dos fundadores de Araçatuba, Armando Geraldi, 90 anos, traz o tempo de volta para responder à curiosidade de Arquivo: quem matou a tiros o ex-prefeito Hermílio Magalhães, ao lado do coreto da praça Rui Barbosa, foi o mecânico Armando P., seu xará. Motivo: política, nobre invenção grega que boa parte dos políticos transformou em bacanal.

Comentários
Comente esta matéria

Atenção: os comentários são moderados. Seu e-mail e telefone não serão divulgados, mas é necessário informá-los. Opiniões agressivas e palavrões não serão publicados neste espaço. Forneça seu nome completo.

Nome completo *
CPF *
E-mail (Não será publicado) *
Cidade *
Profissão *
Telefone (Somente números) *

* Informe seu nome completo, caso contrário a opinião não será publicada.
** Por favor, não escreva textos apenas em letra maiúscula.

Máximo de 500 caracteres.
Se quiser escrever um artigo para o jornal, envie o texto para artigos@folhadaregiao.com.br





Autoriza publicação desta opinião no portal e no jornal impresso?

Sim    Não

Folha da Região Facebook Twitter Instagram Google+ TV Araçatuba no Youtube Assine a Folha da Região Classificados
Expediente Telefones Comercial Classificados Contato Opiniões
Copyright Folha da Região. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha da Região.
Rua Joaquim Fernandes, 445 - Jardim Nova Iorque - CEP 16018-280 - Araçatuba/SP - Brasil - Telefone +55(18)3636-7774