Folha da Região - Ex é suspeita de mandar matar dono do Friboi

Ex é suspeita de mandar matar dono do Friboi

Marcela Spinosa - Agência Estado +++ --- Encaminhar Erro Imprimir


Sábado - 04/04/2009 - 03h01



Google+



A ex-mulher do diretor executivo da divisão de alimentos do frigorífico JBS Friboi, Humberto Campos de Magalhães, de 43 anos, morto a tiros em seu carro em dezembro de 2008, é suspeita de ser a mandante do crime. Ela foi presa temporariamente ontem por policiais da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e está em uma cela do 89 º Distrito Policial (Portal do Morumbi). Na próxima segunda-feira, a defesa deve entrar na Justiça com pedido de revogação da prisão temporária de 15 dias, que pode ser prorrogada pela Justiça por mais 15.

A polícia pediu a prisão temporária de Giselma Magalhães, de 44 anos, depois de descobrir que a ligação que o ex-marido dela recebeu no dia do crime partiu do aparelho celular do filho mais novo deles, um jovem de 17 anos. "O principal (motivo) é que a vítima foi atraída para o local do assassinato porque o autor do crime usou o telefone celular do filho adolescente do casal. A partir daí conseguimos indícios e provas que possibilitaram o pedido de prisão temporária”, disse o delegado do DHPP Marcos Carneiro.

Segundo ele, na ligação, a pessoa teria dito a Magalhães que o filho havia sofrido convulsão. Desesperado, o executivo saiu com sua Mercedes Benz C320 para a Rua Carlos Weber, na Vila Leopoldina, zona oeste, dirigiu alguns metros e tocou a campainha da casa de número 85 da Rua Alfenas.

A casa pertence a um aposentado de 50 anos que contou a polícia que, naquele dia, Magalhães estava nervoso e tocou a campainha diversas vezes. Quando o aposentado atendeu, o executivo perguntou pelo filho. Ao receber a informação de que o jovem não estava lá, Magalhães entrou no carro, dirigiu alguns metros e estacionou em frente ao número 61 da mesma via. Foi quando um motoqueiro parou ao lado do veículo. Eles conversaram alguns instantes e o motoqueiro efetuou dois disparos contra Magalhães. Um dos tiros acertou o abdome e o outro pegou a perna esquerda.

PASSIONAL

Para a polícia, o crime teria sido passional. Isso porque o casal estava separado havia cerca de um ano e tem um histórico de brigas constantes. O processo do divórcio era litigioso e Magalhães, antes de morrer, morava havia cinco meses com outra mulher.

Comentários
Comente esta matéria

Atenção: os comentários são moderados. Seu e-mail e telefone não serão divulgados, mas é necessário informá-los. Opiniões agressivas e palavrões não serão publicados neste espaço. Forneça seu nome completo.

Nome completo *
CPF *
E-mail (Não será publicado) *
Cidade *
Profissão *
Telefone (Somente números) *

* Informe seu nome completo, caso contrário a opinião não será publicada.
** Por favor, não escreva textos apenas em letra maiúscula.

Máximo de 500 caracteres.
Se quiser escrever um artigo para o jornal, envie o texto para artigos@folhadaregiao.com.br





Autoriza publicação desta opinião no portal e no jornal impresso?

Sim    Não

Folha da Região Facebook Twitter Instagram Google+ TV Araçatuba no Youtube Assine a Folha da Região Classificados
Expediente Telefones Comercial Classificados Contato Opiniões
Copyright Folha da Região. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha da Região.
Rua Joaquim Fernandes, 445 - Jardim Nova Iorque - CEP 16018-280 - Araçatuba/SP - Brasil - Telefone +55(18)3636-7774