Folha da Região - Promessa de parque aquático no Thermas permanece no papel

Promessa de parque aquático no Thermas permanece no papel

Aline Galcino +++ --- Encaminhar Erro Imprimir


Domingo - 18/01/2009 - 03h01



Google+


Valdivo Pereira - 14/01/2009
               
ABANDONO Área do antigo Thermas: piscina vazia mostra que nada mudou


Dez meses após o anúncio oficial da venda do antigo balneário Thermas da Noroeste, em Araçatuba, nada mudou no local. A promessa de construção de um parque aquático, cuja primeira parte estaria concluída em janeiro deste ano, não foi cumprida pelos empreendedores. A reportagem da Folha da Região visitou o local esta semana. Nos portões de acesso ao antigo clube, apenas cadeados. Na entrada para o antigo hotel, mato alto. Nenhuma movimentação de funcionários que remetesse à reforma ou construção, ao contrário, no meio da tarde, nenhuma pessoa estava no local.

Segundo informações extraoficiais, houve um atraso na documentação que autoriza as obras do parque. O principal problema estaria na parte ambiental, já que o antigo balneário não possuía as reservas legais, área de reflorestamento, e apresentava problemas no poço de água quente. Os empresários estariam resolvendo as questões burocráticas para só depois dar início às obras.

A reportagem entrou em contato com o responsável pelo patrimônio, cujo primeiro nome é Adalton. Ele se limitou a dizer que não está autorizado a dar informações sobre o assunto e que o responsável estará na cidade dentro de 15 dias e entrará em contato com o jornal. Também foram feitas inúmeras tentativas para localizar o empresário José Manoel de Campos Silva, um dos responsáveis pelo empreendimento, mas as ligações não foram atendidas.

O anúncio do investimento de R$ 25 milhões para a construção de um parque aquático no lugar do antigo Thermas da Noroeste foi feito no dia 29 de abril do ano passado pelo próprio Silva, integrante do grupo de investidores que arrematou a área em leilão oficial promovido pelas Justiças Federal e do Trabalho. Na ocasião, o empresário anunciou que as obras começariam em 120 dias e que o grupo aguardava apenas a liberação dos órgãos ambientais. Segundo Silva, a propriedade do poço de águas quentes existente no local junto ao Ministério de Minas e Energia e ao DNPM (Departamento Nacional de Produção Mineral) já estava registrada.

O lançamento oficial do parque aquático deveria ter sido feito meses após o anúncio da aquisição, mas ainda não aconteceu. Pelo cronograma apresentado para a reportagem na época, as obras seriam divididas em etapas. A primeira seria a construção do portal de entrada, estacionamento com capacidade para 700 veículos, restaurante panorâmico e parque aquático (piscinas). Da estrutura que existe hoje, apenas o poço seria reaproveitado. A previsão era de concluir as obras em dois anos e até janeiro de 2009, inaugurar a primeira etapa.

O grupo que adquiriu o antigo Thermas tem 25 anos de experiência no ramo e administra outros empreendimentos do tipo nos Estados do Paraná e Goiás. Foram adquiridos 13 alqueires de área em Araçatuba, que incluem o antigo Thermas e o hotel que havia no local. Somente para a construção do parque, que terá 169 mil metros quadrados, o investimento será de R$ 20 milhões. Os R$ 5 milhões restantes serão aplicados em obras de infraestrutura, como abertura e pavimentação de ruas.

Clube está fechado desde 2006

O Thermas da Noroeste de Araçatuba foi fechado por determinação judicial em junho de 2006, quando a bomba de água do clube foi lacrada pela Polícia Federal e pelo DNPM (Departamento Nacional de Produção Mineral). Com isso, as atividades do balneário tiveram que ser suspensas. O hotel Águas Quentes, que ficava ao lado do clube, também foi afetado com a decisão, já que a mesma bomba também era responsável pelo abastecimento de água quente no local.

Segundo reportagem publicada pela Folha da Região na época, a lacração da bomba foi feita pela falta de uma autorização de lavra, que concede autorização para exploração da água que vem do subsolo e portanto pertence à União. A medida foi determinada pela 1ª Vara da Justiça Federal de Araçatuba. O clube nunca possuiu a autorização de lavra.

Com a desativação temporária da bomba que retirava água do lençol freático, o balneário Thermas teve quase todas as piscinas esvaziadas.

No final de 2006, o clube foi vendido para o grupo de empresários, por meio de leilão realizado pela Justiça Federal e do Trabalho. O anúncio do investimento, porém, só foi feito em abril no ano passado.

Fundado em 1984, o balneário foi um grande atrativo turístico da cidade durante quase duas décadas.AG

Comentários
Comente esta matéria

Atenção: os comentários são moderados. Seu e-mail e telefone não serão divulgados, mas é necessário informá-los. Opiniões agressivas e palavrões não serão publicados neste espaço. Forneça seu nome completo.

Nome completo *
CPF *
E-mail (Não será publicado) *
Cidade *
Profissão *
Telefone (Somente números) *

* Informe seu nome completo, caso contrário a opinião não será publicada.
** Por favor, não escreva textos apenas em letra maiúscula.

Máximo de 500 caracteres.
Se quiser escrever um artigo para o jornal, envie o texto para artigos@folhadaregiao.com.br





Autoriza publicação desta opinião no portal e no jornal impresso?

Sim    Não

Folha da Região Facebook Twitter Instagram Google+ TV Araçatuba no Youtube Assine a Folha da Região Classificados
Expediente Telefones Comercial Classificados Contato Opiniões
Copyright Folha da Região. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha da Região.
Rua Joaquim Fernandes, 445 - Jardim Nova Iorque - CEP 16018-280 - Araçatuba/SP - Brasil - Telefone +55(18)3636-7774