Depois da higienização, aplica-se um produto para “amolecer” os cravos e as espinhas; em seguida, cobre-se o rosto com a neve carbônica e, com um peeling de ultra-som, as impurezas são retiradas, sem precisar de extração manual

Neve carbônica surge como mais uma opção para o tratamento de pele

Neve carbônica surge como opção para o tratamento

O rosto é considerado o "cartão postal" da pessoa. Ter uma pele bonita, com brilho, livre de manchas, espinhas, cravos e rugas é o sonho de todos. Na busca desse "sonho", homens e mulheres utilizam diversos tratamentos estéticos e cosméticos.

Como opção, surge a limpeza de pele com neve carbônica, que possui ação anti-séptica, antiinflamatória e calmante.

"O método é quase indolor, com um peeling de ultra-som todas as impurezas da pele são retiradas sem a extração manual. Além disso, o tratamento também clareia manchas, fecha os poros dilatados e melhora as linhas de expressão, pois possui um efeito tensor", explica a esteticista araçatubense, Flávia Lemos.

O tratamento é indicado para todos os tipos de pele, mas principalmente para as oleosas (onde os poros são dilatados), com acne e dos fumantes, já que a nicotina e a fumaça ressecam muito a pele.

No primeiro passo, é feita uma higienização do local. Depois, é aplicado um ácido juntamente com um produto para ajudar a "amolecer" os cravos e as espinhas.

Após isso, é feita a extração das impurezas com um peeling de ultra-som e aplica-se uma máscara calmante. Em seguida, a máscara de neve carbônica, para fechar os poros.

"A neve carbônica cria a sensação de congelamento da camada superficial da pele. O produto fica por alguns minutos no rosto e após ser retirado deve ser aplicado um creme hidratante", ressalta a profissional.

Cada sessão dura aproximadamente uma hora e meia. Como em todo tratamento de pele, após a aplicação não é recomendada a exposição ao sol sem o uso do filtro solar.

NITROGÊNIO - A neve carbônica também é conhecida como Nitrogênio líquido (CO2), um gás em estado líquido contido em tubos metálicos especiais, num cilindro cromado, denominado "Bala de Neve Carbônica" ou "Gelo Seco", que produz uma temperatura muito baixa.

O tratamento baseia-se numa máscara feita de uma mistura de enxofre, acetona e gelo seco. "No tratamento da acne, por exemplo, ela cicatriza as infecções cutâneas e faz uma renovação celular, já que toda a camada superficial da pele é retirada", diz Flávia.

O efeito tensor da pele pode ser sentido durante 15 dias, mas, segundo a esteticista, nos três primeiros dias após a aplicação o resultado é mais eficaz.

A indicação do tratamento é de um mês para a limpeza de pele e quinzenal caso seja para hidratar ou manter o efeito tensor e clarear as manchas.

"O tempo de duração do tratamento varia de acordo com o problema da pele, mas os efeitos podem ser sentidos já na primeira sessão. Quanto mais sessões, melhor o resultado", comenta a profissional.

Flávia ressalta que as pessoas não devem esquecer dos cuidados básicos com a pele, que é limpar, tonificar e hidratar.

Na limpeza diária, deve-se usar um leite de limpeza ou um sabonete neutro. Usar filtro solar, que deve ser reaplicado a cada três horas e a partir dos 25 anos e aplicar hidratante à noite também são importantes.

Os produtos devem ser específicos de acordo com o tipo de pele de cada pessoa. Quem tem pele oleosa deve lavar o rosto três vezes ao dia: de manhã, na hora do almoço e à noite. "Jamais devemos dormir com a pele suja ou maquiada", alerta Flávia.

CABELOS - A neve carbônica também pode ser utilizada em tratamentos capilares. A crioterapia capilar com neve carbônica é uma técnica que visa a melhorar a circulação sangüínea do couro cabeludo através de um estímulo mecânico de resfriamento intenso, que estimula a dilatação dos vasos.

O tratamento melhora a nutrição dos folículos capilares, através do aumento da circulação sangüínea.

"É indicado principalmente para cabelos com muita química e seborréia. A neve carbônica retira a oleosidade em excesso e ao mesmo tempo hidrata o couro cabeludo que está ressecado devido ao uso excessivo de tinturas e químicas", enfatiza Flávia.






Edição impressa



- Assine a Folha
- Acesse a edição digital e anteriores (assinante)
- Experimente a edição digital por 15 dias

A Folha


- Sobre
- Diretrizes
- Expediente
- Contato
- Telefones
- Classificados
- Grupo no Whatsapp

Blogs da Folha


- A Morte sem tabus
- A vitória pela educação
- Coluna Ciência