Aadefa busca ajuda para quitar débitos e se manter

Aadefa busca ajuda para quitar débitos e se manter

Presidida há seis anos pela empresária Betinha Bernardes, a Aadefa (Associação de Atendimento aos Deficientes Físicos de Araçatuba) pode passar a ser representada por outra chapa após o vencimento do mandato de dois anos da atual presidência, no dia 21 de maio.

O funcionário público Expedito da Silva Massaro, 49, que é paraplégico e sempre acompanhou as ações da entidade, pretende assumir o cargo que já ocupou entre 1997 e 1998.

Porém, ele afirma que só ocupará a presidência, caso eleito, se a entidade tiver com suas dívidas quitadas. "Eu montei uma chapa e quero ocupar a presidência da Aadefa para construir políticas diferentes das atuais, mas não posso fazer isso enquanto não for liquidada a dívida de mais de R$ 120 mil. Desse jeito não vou conseguir dar o primeiro passo", disse.

Segundo Massaro, é vontade da atual presidente deixar o cargo, mas está difícil encontrar recursos para pagar o montante devedor. A Aadefa passa por situação financeira complicada.

Os mais de 65 atendidos estão com dificuldades em comparecer ao local para fazer tratamentos psicológicos e de saúde por falta de locomoção, segundo Massaro. "O ônibus sempre quebra, falta combustível e o motorista está doente", disse. "Porém, os deficientes não podem deixar de receber tratamento porque seus músculos podem atrofiar", explicou.

A atual presidente da Aadefa, Betinha Bernardes, diz que está fazendo o possível para arrecadar recursos que possam quitar a dívida da entidade. Segundo ela, a Aadefa deve hoje ao governo federal aproximadamente R$ 70 mil. "Esse valor é resultado de parcelamentos que a entidade fez para quitar dívidas que foram deixadas por antigas administrações", disse. "A minha intenção é entregar a presidência da entidade com tudo em ordem e tenho buscado a ajuda de amigos, da iniciativa privada e dos políticos para que isso aconteça."

Segundo a presidente, a entidade não consegue obter recursos estaduais e federais devido à falta de uma certidão negativa de débito. "Para receber essa certidão é preciso que até o final deste mês a Aadefa consiga pagar R$ 21 mil", afirmou, pedindo para que a população se sensibilize com a situação da entidade.

PERFIL
A Aadefa é uma entidade de utilidade pública que presta serviços para deficientes de Araçatuba e região desde dezembro de 1988. Em sua sede, no Jardim Paulista, são realizadas terapias, sessões de fisioterapia e hidroterapia, programa de alfabetização e aulas de artesanato. A entidade também providencia encaminhamentos médicos e odontológicos a deficientes físicos da cidade.

Serviços


- Folha Imóveis
- Edição Digital (assinantes)
- Classificados
- Assine a Folha
- Grupo no Whatsapp





Edição impressa



- Assine a Folha
- Acesse a edição digital e anteriores (assinante)
- Experimente a edição digital por 15 dias

A Folha


- Sobre
- Diretrizes
- Expediente
- Contato
- Telefones
- Classificados
- Grupo no Whatsapp

Blogs da Folha


- A Morte sem tabus
- A vitória pela educação
- Coluna Ciência